Iniciativa Liberal espera que Governo “mostre que está a falar a sério” sobre prioridades para OE2021

Sobre o Orçamento de Estado para 2021, João Cotrim Figueiredo referiu que “além do salário mínimo, o que se viu com uma redução pífia do IVA da eletricidade e um esquema híper complicado de devolução de IVA gasto em hotelaria e restauração, o total não deve ultrapassar 0,1% do PIB”.

Cristina Bernardo

O líder da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo apontou que em 24 horas será aprovado em Conselho de Ministros o Orçamento de Estado para 2021 e disse esperar que o Governo “mostre que está a falar a sério” sobre as prioridades apresentadas até ao momento.

“Nas próximas 24 horas vai ser aprovado em Conselho de Ministros a versão final do Orçamento que entrará depois nesta casa e como diz o grande clássico da canção norte americana: que diferença um dia pode fazer 24 horas”, sublinhou João Cotrim Figueiredo acrescentado que “24 horas senhor primeiro-ministro para o Governo nos mostrar que está a falar a sério das grandes prioridades que o Governo definiu ou que pelo menos nos apresentou ontem, no sentido de proteger as pessoas e o rendimento”.

João Cotrim Figueiredo é da opinião que “além do salário mínimo, o que se viu com uma redução pífia do IVA da eletricidade e um esquema híper complicado de devolução de IVA gasto em hotelaria e restauração, o total não deve ultrapassar 0,1% do PIB”.

“Não tem qualquer espécie de enfrentamento o problema de descapitalização das empresas portuguesas e se não pretende aplicar menos de um terço dos fundos a que virão de Bruxelas ao abrigo do plano de recuperação”, frisou o representante dos liberais sublinhando que no caso do partido, existem “linhas azuis” quanto ao “nível de desagravamento e simplificação fiscal”.

António Costa respondeu que “as próximas 24 horas não vão mudar o mundo” e explicou que o Orçamento de Estado para 2021 “corresponde às prioridades que são essenciais hoje para podermos controlar a pandemia, para podermos recuperar a economia para podermos reconstruir o país e as prioridades são muito simples”.

Os temas mais relevantes no Orçamento de Estado para 2021 passam pela recuperação das empresas, a proteção do emprego e do rendimento das famílias “que caíram na situação de desemprego, proteção é aquilo que é fundamental para podermos depois passar à fase seguinte que é relançar”, explicou o primeiro-ministro.

Ler mais
Relacionadas

Tribunal de Contas: PAN acusa Bloco Central de decidir não recondução de Vítor Caldeira com “conivência” de Marcelo

No debate com o primeiro-ministro, a líder parlamentar do PAN lamentou que o Parlamento tenha tido uma palavra a dizer no processo de nomeação do novo presidente do Tribunal de Contas e disse que não acompanha a não-recondução de Vítor Caldeira.

António Costa: “O Tribunal de Contas não é o seu presidente”

Em resposta ao Bloco de Esquerda que “lamentou” a nomeação do presidente do Tribunal de Contas, o primeiro-ministro apontou que “as instituições valem por si o Tribunal de Contas já existia antes do conselheiro Vítor Caldeira, vai existir depois do conselheiro Vítor Caldeira porque as instituições são assim, existem independentemente das pessoas que circunstancialmente exercem essas funções”
Recomendadas

Marisa Matias fecha campanha com apelos a “vermelho em Belém”: “a solidariedade vai vencer o ódio”

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda recordou a defesa que tem feito dos serviços públicos, especialmente do SNS, durante uma crise que é “o jogo das nossas vidas”, como defende. O ódio e o medo que alguns candidatos tentaram usar durante a campanha também mereceu fortes reparos.

Covid-19: Variante da África do Sul já foi identificada em Portugal

O caso identificado em Portugal, através da sequenciação genómica, foi já reportado pelo INSA às autoridades competentes de saúde.

Ana Gomes encerra campanha com apelo ao voto: “Estas são eleições decisivas para a democracia”

A candidata Ana Gomes defende que participação nas eleições, marcadas para dia 24, é essencial para “reforçar a democracia”, que diz estar “sob ataque”, e “barrar os centrões de interesses” que têm prejudicado o desenvolvimento do país.
Comentários