Iniciativa Liberal: “Governo não sabe viver sem o dinheiro dos outros europeus”

O deputado único do Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, diz que Portugal não deve continuar a “mendigar esmolas dos países ricos europeus” e que “a verdadeira coesão é deixar de precisão dos fundos de coesão”.

Mário Cruz/Lusa

O Iniciativa Liberal defendeu esta terça-feira que o Governo de António Costa “não sabe viver sem o dinheiro dos outros europeus” e que isso explica a sua rejeição à proposta finlandesa para o Orçamento da União Europeia (UE). O deputado único do Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, diz que Portugal não deve continuar a “mendigar esmolas dos países ricos europeus” e que “a verdadeira coesão é deixar de precisão dos fundos de coesão”.

“Trinta anos depois de Portugal aderir à UE, continuamos a ir a Bruxelas mendigar esmolas dos países ricos europeus. Em vez de ambicionarmos deixar precisar do fundo de coesão e dos outros fundos, mendigam-se migalhas de fundos destinados a objetivos definidos em Bruxelas”, afirmou João Cotrim Figueiredo, no debate quinzenal sobre o quadro financeiro plurianual para 2021-2027.

Para o Iniciativa Liberal, a “verdadeira coesão que os liberais querem é a de deixar de precisar dos fundos de coesão, de crescer mais que os países da nossa dimensão e que connosco concorrem” e diz que é “triste” que Portugal seja o único país do grupo de coesão que não vai crescer mais do que 2%.

João Cotrim Figueiredo indicou que dos quinze Estados-membros que aderiram à UE em 2014, “só dois continuam pobres ao ponto de precisarem de fundos de coesão: Portugal e Grécia”. “São exatamente os países menos liberais e mais estatistas” da UE, disse.

“A reação do Governo às propostas que pretendem reduzir os fundos estruturais, da presidência finlandesa ou outras, é aliás sintomática. Não sabe viver sem o dinheiro dos outros europeus e todos nós conhecemos a frase ‘o socialismo dura até terminar o dinheiro dos outros'”, disse.

Recomendadas

André Ventura pede a demissão de Eduardo Cabrita por palavras “gravíssimas”

Para o deputado único do partido recém chegado ao parlamento, as declarações de Eduardo Cabrita foram “gravíssimas e desprovidas de sentido” e recordou que, “num primeiro momento”, o Governo chegou a “negar a veracidade” daquilo que tinha sido referido por André Ventura, ou seja, a aquisição de material de segurança por parte das forças policiais.

Só “por algum ato milagroso” relações serão retomadas entre Livre e Joacine, realça nova direção do partido

“Se por algum ato milagroso houver uma mudança de atitude por parte da deputada Joacine Katar Moreira obviamente que trabalharemos” com a única representante do partido no parlamento, afirmou Pedro Mendonça, em declarações aos jornalistas no final do IX Congresso do Livre.

“Desfaçatez e falta de respeito”. PSD repudia declarações de Eduardo Cabrita sobre equipamento da PSP

Em causa estão declarações do ministro numa entrevista hoje divulgada ao Diário de Notícias e à TSF, na qual Eduardo Cabrita é questionado sobre as notícias que dão conta de agentes policiais “que compram equipamento de proteção do seu próprio bolso”.
Comentários