Iniciativa Liberal propõe extinção de 11 ordens profissionais

Ordem dos Economistas, Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Ordem dos Contabilistas Certificados encontram-se entre aqueles que os liberais pretendem ver desaparecer. Mas mesmo as ordens profissionais consideradas justificadas é apontado o defeito de se terem transformado em “corporações de defesa dos interesses instalados”.

Iniciativa Liberal 25 de Abril

Um projeto de lei da Iniciativa Liberal propõe a extinção de 11 ordens profissionais, o que seria mais de metade dos 20 atualmente existentes, sendo esse número algo que o partido considera ser “algo inédito e incomparável em países desenvolvidos da União Europeia”. Entre as entidades que desapareceriam caso essa iniciativa legislativa fosse aprovada incluem-se a Ordem dos Economistas, a Ordem dos Contabilistas Certificados, a Ordem dos Despachantes Oficiais e a Ordem dos Revisores Oficiais de Contas.

Segundo a Iniciativa Liberal, existe uma diferença entre as ordens existentes “nos casos em que a natureza da profissão exige uma prática continuada séria e certificada, relacionada diretamente com os direitos fundamentais dos cidadãos”, e aquelas que o partido considera terem sido constituídas “sem lógica nem critério, a não ser por motivos eleitoralistas de alguns partidos presentes na Assembleia da República”.

No primeiro grupo encontram-se algumas das principais ordens profissionais portuguesas, como a Ordem dos Advogados e a Ordem dos Médicos. No entanto, mesmo nesses casos o partido advoga mais limites. “Muitas ordens profissionais cuja existência é justificada têm abandonado o seu papel-base e têm-se transformado em corporações de defesa dos interesses instalados nestas profissões, para prejuízo dos novos profissionais e, sobretudo, dos consumidores”, defende a Iniciativa Liberal, que por isso mesmo propõe a revogação da norma que estipula que a cada profissão regulada corresponda apenas uma única associação pública profissional.

Também é proposta no projeto de lei da Iniciativa Liberal a abolição de regras profissionais que resultem num “obstáculo desproporcional e desnecessário” à livre prestação de serviços, à liberdade de escolha de profissão e à iniciativa privada. Até porque foi permitido na transposição da diretiva comunitária para a legislação portuguesa que os estatutos das ordens profissionais pudessem estabelecer entraves às sociedasdes multidisciplinares. Algo que o partido considera configurar “uma desvantagem competitiva dos profissionais portugueses face aos seus homólogos europeus”.

A lista total das ordens profissionais que os liberais pretendem ver desaparecer inclui as dos Biólogos, Contabilistas Certificados, Despachantes Oficiais , Economistas, Médicos Veterinários, Notários, Nutricionistas, Revisores Oficiais de Contas, Solicitadores e Agentes de Execução, Fisioterapeutas e Assistentes Sociais.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Portugal não precisa de uma crise política”, analisa managing partner da Vieira de Almeida

“Gostaria que houvesse bom senso, ninguém precisa de uma crise político e muito menos de uma crise constitucional. Em relação aos nossos clientes, há uma expectativa de que o bom senso prevaleça. O nosso foco tem que ser a recuperação da economia”, realçou Paula Gomes Freire, em entrevista ao programa da plataforma multimédia JE TV.

“Falar Direito”. Programa de advocacia da JE TV já está disponível como podcast no Spotify

O mundo da advocacia está em destaque no programa “Falar Direito”, é o novo programa semanal da JE TV, que conta também com uma versão em podcast, com apresentação de Filipe Alves e Mariana Bandeira.

KPMG investe 3 milhões de euros na parceria com a Nova SBE

Além deste programa de bolsas, “a KPMG atribuiu um donativo à Fundação Alfredo de Sousa no valor de 1,5 milhões, estando em causa um investimento total na educação no valor de cerca de 3 milhões a realizar durante um período de dez anos”, avança a Nova SBE.
Comentários