“Iniciativa Pró-Montado”. Florestas estão na linha da frente no combate ao avanço da desertificação no país

Os promotores da iniciativa referiram os graves períodos de seca do Alentejo que estão a provocar consequências nefastas na desflorestação da região, o avanço do deserto para norte e o aumento dos períodos de fraca precipitação no país.

Conservar o estado das florestas para combater a desertificação no Alentejo é o principal mote da “Iniciativa Pró-Montado Alentejo”, que foi redigida com o intuito de alertar o público e Governo do estado de seca e os períodos escassos de chuva que afetam a zona.

Para a recolha e análise de dados, reuniu-se um grupo que de cerca 30 produtores, cientistas, ambientalistas, dirigentes do setor, ex-governantes e autarcas que analisaram a evolução climático-florestal nas regiões do sul.

As primeiras conclusões, retiradas no ano passado, sugeriam que era necessário adaptar climaticamente o montado, mas face ao agravamento das áreas de desflorestação naquela área, os especialistas consideram ser necessário restaurar as zonas já degradadas e expandir a área verde de forma a criar uma mancha florestal – semelhante aos projetos de expansão florestal que se vêem na China e, mais recentemente na Etiópia.

Durante a conferência de imprensa, que decorreu, esta quarta-feira, na Academia de Ciências, em Lisboa, os especialistas reforçaram a ideia de que é necessário um “forte investimento público” na expansão da zona florestal, mais especialmente de sobreiros e azinheiras por serem resistentes ao calor. Consequentemente, com a implementação de mais árvores, dar-se-á o fenómeno de “evapotranspiração”, que pode influenciar ao aumento de queda de água.

“Há bastante área para o fazer”, acrescentou Pedro Sousa, gestor florestal. “Temos de expandir os atuais 835 mil hectares no Alentejo de sobreiros e azinheiras para uma área total de 1.5 milhões”, rematou afirmando haver um consenso técnico-cientifico de que deve haver manchas florestais continuas para promover o aumento de humidade, redução de temperatura e condições para criar nuvens. Tudo isto para que haja chuva.

Tudo isto para que haja sombra, também. De acordo com os especialistas, o ensombreamento é vital no âmbito da resistência às alterações climáticas de modo a  reduzir a temperatura (e evaporação consequentemente) do solo na estação quente.

Assim, construir essa barreira, amiga do ambiente, com base no montado de sobreiros e azinheiras, passa a uma recuperação de solos, uma melhor infiltração e retenção das águas da chuva e pelo adensamento do arvoredo existente. Ao mesmo tempo, estará a ser fomentada a coesão económica e social.

A “Iniciativa Pró Montado Alentejo”, que foi lançada em maio de 2018, vem então defender, e apelar ao Governo, a implementação de um Programa, com prazo de 20 anos, inserido no contexto da adaptação de Portugal às alterações climáticas. Este programa, não só contribuirá para uma maior captação, infiltração e fixação da água nos solos, como será um passo importante no rumo à Neutralidade Carbónica, para 2050. Para além disso, os presidente da associacao Quercus fez um apelo à importância em declarar um estado de emergência climática na região do Alentejo.

“Acho que era altura de pensarmos seriamente em fazer um desafio às várias autoridades e declarar emergência climática para o Alentejo”, afirmou Paulo do Carmo, adiantando que há países como a Alemanha, Bélgica, Canada e Estados Unidos que já o fizeram.

A informação avançada pelo grupo relembra que o Alentejo representa cerca 1/3 do território continental e que é a zona mais exposta às alterações climáticas, tendo 99% de de susceptibilidade à desertificação e o índice de aridez a triplicar nos últimos 30 anos. Os cientistas alertam que se nada for feito, os dados conduzirão a região à desertificação física e humana.

Ler mais
Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários