InnoEnergy procura ‘startups’ para combater alterações climáticas

As vinte melhores inovações vão defrontar-se na final em Barcelona e o vencedor receberá 100 mil euros, assim como apoio na comercialização do seu produto. as candidaturas estão abertas até 19 de dezembro.

A InnoEnergy, que diz ser a maior aceleradora de energia sustentável do mundo, lançou a sua primeira ‘call’ global em busca de ‘startups’ que atuem em toda a cadeia de valor da sustentabilidade.

De acordo com um comunicado da empresa, “a ‘call’ está aberta, até dia 19 de dezembro, a ‘startups’ de todo o mundo em áreas como a energia renovável, eficiência energética, aquecimento e mobilidade, entre outras, com o objetivo de resolver o desafio da descarbonização”.

Elena Bou, diretora de Inovação da InnoEnergy afirma que “estamos numa encruzilhada ambiental”.

“Precisamos de agir hoje para garantir que atingimos os nossos objetivos globais de redução de carbono – e é por isso que estendemos esta ‘call’ a um nível global. Delhi [a capital indiana]  acabou de decretar estado de emergência por poluição do ar e nos Estados Unidos da América (EUA) o número de veículos com motores poluentes nas estradas tem vindo a crescer mais de 270 mil [ao ano]. Estamos a chegar a um ponto crítico – precisamos de enfrentar as alterações climáticas juntos e, através do nosso ecossistema de mais de 460 parceiros, conseguimos fazê-lo”, garante esta responsável.

A ‘call’ para ‘startups’ da InnoEnergy oferecerá aos empreendedores de todo o mundo “a oportunidade de melhorar o seu negócio não só na Europa mas também nos seus países de origem”.

As vinte melhores inovações vão defrontar-se na final em Barcelona e o vencedor receberá 100 mil euros, assim como apoio na comercialização do seu produto.

“Existe uma grande procura por ‘startups’ de Espanha e Portugal, onde o mercado tem bastantes oportunidades em áreas como armazenamento de baterias ou energia solar”, destaca o referido comunicado.

Elena Bou afirma ainda que: “a região ibérica é um ponto de atração de inovação – queremos chegar a estes génios empreendedores para acelerar a transição energética por todo o mundo”.

“Estamos prontos para nos aliarmos a estes empreendedores e liderar juntos a mudança que se avizinha no nosso panorama energético”, afiança aquela responsável.

De acordo cm o comunicado em questão, “a InnoEnergy prevê que, em 2020, o aquecimento e a mobilidade serão a tendência na inovação”.

“Os dois setores são dos mais difíceis na descarbonização, contribuindo para problemas crescentes como a qualidade do ar em países como Índia, EUA, ou China”, salienta a mesma nota informativa.

O comunicado da empresa sublinha que “a EIT InnoEnergy é o motor da inovação europeia na área da energia sustentável na Europa” e recorda que, desde 2010, tem vindo a apoiar mais de 400 casos na área da energia sustentável, tendo ‘holdings’ em empresas como a Northvolt, entre outras empresas na cadeia de valor das baterias”.

Ler mais
Recomendadas

Governo vai reverter situações “que promovam o recurso a produtos descartáveis” sem necessidade

Face ao aumento do uso de materiais descartáveis à base de plástico, o Ministério do Ambiente esclarece ao Jornal Económico que vai reavaliar os guias de retoma à atividade de alguns setores e manifesta “preocupação pela procura crescente de produtos descartáveis, que pode no futuro vir a converter-se numa questão de saúde pública e ambiental”.
plástico

No Dia Internacional sem Sacos de Plástico, Quercus apela à reutilização

A Quercus destaca que a introdução de uma taxa por cada saco de plástico em Portugal, a partir de 2015, provocou uma forte mudança dos hábitos dos portugueses e que esta medida levou à redução em cerca de 50% no consumo de sacos de plástico nos supermercados.

Mais responsável e sustentável. L’Oréal cria fundo de investimento ambiental de 150 milhões de euros

Ao Jornal Económico, a vice-presidente da gigante da cosmética explica que a iniciativa passa por acelerar e aumentar os esforços sustentáveis já em curso dentro da empresa. Até 2030, a marca quer que 100% dos plásticos usados nas embalagens dos produtos sejam de fontes recicladas.
Comentários