Inovação tecnológica na saúde é fundamental mas sempre com inclusão de utentes e profissionais

Apesar do papel fundamental que terá a tecnologia e os sistemas de informação na prestação de cuidados de saúde no futuro, estes terão de se centrar no utente e incluir os profissionais na transformação, de forma a que estes veículos e técnicas sejam usados adequadamente. ideia foi defendida no painel promovido pela Accenture sobre “Inovação e tendências sustentáveis na saúde”, que contou com moderação do Jornal Económico, incluído na Semana da Responsabilidade Social.

Hospital de Santa Maria | Mário Cruz/Lusa

A tecnologia fornecerá um importante veículo para a inovação na saúde, mas é importante que esta seja implementada de forma eficaz e eficiente, sobretudo ao incluir os pacientes no processo clínico ao mesmo tempo que se assegura a qualidade e fidelidade dos dados gerados.

A ideia foi defendida no painel promovido pela Accenture sobre “Inovação e tendências sustentáveis na saúde”, que contou com moderação do Jornal Económico, incluído na Semana da Responsabilidade Social.

“Não nos podemos esquecer que os resultados em saúde são a longevidade, mas também a qualidade dessa longevidade”, começou por argumentar Ana Paula Harfouche, Administradora Hospitalar na ARS Lisboa e Vale do Tejo. Nesta perspetiva, importa realçar que o impacto dos cuidados de saúde neste resultado final “é apenas 20%”, sendo que o restante é fruto de outros determinantes, nomeadamente socioeconómicos e individuais.

Ainda assim, as novas tecnologias terão um contributo forte e positivo nestes 20%, acredita José Carvalho, cofundador e administrador da Hope Care. Aproveitando a “grande abertura em todos os atores da saúde para a implementação de novas tecnologias” que trouxe a pandemia, houve processos ligados à telemedicina que se implementaram neste período, como, por exemplo, consultas de psiquiatra ou anestesia no Hospital Central de Lisboa.

Como tal, “a certificação de processos de telemedicina como equipamento médico” é extremamente importante, ao colocar estas técnicas numa situação equiparável à de medicamentos. Contudo, José Carvalho identifica dificuldades na capacitação dos profissionais de saúde para a utilização destas ferramentas, defendo que é necessária “uma transformação da classe profissional”.

Apesar das dificuldades na gestão da informação que geram estas novas tecnologias, Rita Veloso, vogal do Centro Hospitalar Póvoa de Varzim e Vila do Conde, crê que os cidadãos “devem poder exigir estar informados” e, como tal, reconhece a importância, por exemplo, da centralização dos registos eletrónicos gerados pelo Sistema Nacional de Saúde.

O problema surge maioritariamente na implementação destes sistemas, que frequentemente são duplicados, não acrescentando valor e gastando recursos públicos. “Um utente pode ir ao Centro Hospitalar da Póvoa [de Varzim e Vila do Conde], ao Hospital de S. João, ao IPO, mas o doente é sempre o mesmo”, sublinha Rita Veloso.

A evolução na saúde tem sido “drástica” nas últimas décadas, argumenta Pedro Janeiro, Responsável de Saúde e Administração Pública, Strategy & Consulting da Accenture Portugal, e prevê-se que acelere ainda mais. E essa evolução no futuro próximo terá de passar, obrigatoriamente, pela colocação do “utente no centro da aplicação da operação” do setor.

Ler mais
Recomendadas

Portugal regista 5.290 casos e 71 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 5.123 altas nas últimas 24 horas, elevando para 189.356 o número total de pessoas livres do vírus.

Sindicato de enfermeiros cumpre Dia de Luto e promete uma greve nacional “a sério”

“Hoje é um protesto simbólico, mas aguardamos dias melhores, ou seja, dias que não tenham as características dos atuais, para fazermos uma greve nacional a sério, para ensinar este Governo que tem muito pouca consideração pelos enfermeiros”, afirmou José Azevedo, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros, que integra a Fense, com o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem (SIPenf).
Ricardo Baptista Leite

Ricardo Baptista Leite propõe substituição da DGS por três novas entidades

Deputado social-democrata também defende no livro “Um Caminho para a Cura” que passe a existir um Ministério da Saúde e do Bem-Estar, concentrando a política assistencialista agora gerida pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
Comentários