Insolvências aumentam 16% em maio e nascimento de novas empresas continua em queda acentuada

“As insolvências aumentaram 15,96% em maio face ao período homólogo de 2019, com 603 empresas insolventes. O valor acumulado é 4,2% superior ao de 2019, com um total de 2.281 empresas insolventes”, diz a Iberinform. Por outro lado, as constituições de empresas no mês de maio passaram de 4.298 em 2019 para 1.972 em 2020, menos 2.326 empresas em termos homólogos (-54,1%). Os impactos da pandemia neste dois indicadores começam a acentuar-se.

A Iberinform, filial da Crédito y Caución, revela que as insolvências aumentaram 16% em maio e as constituições de empresas continuam em queda acentuada. Verifica-se um decréscimo de 54,1% no número de novas empresas em maio, enquanto as insolvência aumentam 16%.

Os impactos da pandemia neste dois indicadores começam a acentuar-se.

“As insolvências aumentaram 15,96% em maio face ao período homólogo de 2019, com 603 empresas insolventes. O valor acumulado é 4,2% superior ao de 2019, com um total de 2.281 empresas insolventes”, diz a Iberinform.

Porto e Lisboa são os distritos que apresentam valores absolutos mais elevados, 572 e 472 respetivamente. Face a 2019, verifica-se um aumento de 3,4% no Porto e de 2,4% em Lisboa. Braga ocupa a terceira posição, com 266 insolvências e uma variação de 5,1% face ao período homólogo.

Há 12  distritos que apresentam aumentos nas insolvências, com as subidas mais significativas a registarem-se em: Angra do Heroísmo (+114,3%), Portalegre (+66,7%), Faro (+50,6%), Castelo Branco e Santarém (ambos com um aumento de 41,7%), Viana do Castelo (+33,3%), Beja (+25%), Évora (+20%), Ponta Delgada (+7.1%) e Braga (+5,1%). Há decréscimos a registar em dez distrito: Horta (-33,3%), Coimbra (-31,7%), Guarda (-31,3%), Bragança (-10%), Aveiro (-8,6%), Vila Real (-5,9%), Setúbal (-5,4%), Viseu (-3.9%), Madeira (-3,7%) e Leiria (-3,3%).

Os setores que apresentam diminuição nas insolvências são: Indústria Extrativa (-33,3%), Telecomunicações (-33,3%), Construção e Obras Públicas (-9,2%), Transportes (-4,1%) e Comércio de Veículos (-1.3%). Os aumentos fazem-se sentir nas atividades de Eletricidade, Gás e Água (33,3%), Agricultura, Caça e Pesca (27,8%), Hotelaria e Restauração (13,9%), Comércio a Retalho (10,8%), Outros Serviços (9,5%), Indústria Transformadora (4,4%) e Comércio por Grosso (3,5%).

Por outro lado, as constituições de empresas no mês de maio passaram de 4.298 em 2019 para 1.972 em 2020, menos 2.326 empresas em termos homólogos (-54,1%). Em termos acumulados, verifica-se uma diminuição de 37,4% com menos 9.083 empresas que em igual período de 2019. O total de 2020 situa-se nas 15.226 novas constituições.

Lisboa apresenta o número de constituições de empresas mais significativo. Ao todo foram criadas 4.901 novas empresas, embora o valor traduza uma diminuição de 37,2% face a 2019. O distrito do Porto regista a criação de 2.780 empresas, menos 37,3% que no ano passado.

Todos os distritos apresentam diminuições nas novas empresas constituídas, sendo as variações mais acentuadas nos distritos de: Aveiro (-58,7%), Setúbal (-41,5%), Leiria (-41.4%), Coimbra (-40,9%), Beja (-40,8%), Bragança (-40%), Évora (-39,3%), Madeira (-39%), Guarda (-38,6%), Angra do Heroísmo (-37%), Viana do Castelo (-37,6%), Braga (-36%), Horta (-35,9%), Vila Real (-35,6%), Viseu (-34.3%), Santarém (-32,4%), Ponta Delgada (-31.7%), Castelo Branco (-31,4%) e Portalegre (-11,4%).

Os setores com maior número de constituições são Outros Serviços, com 6.642 novas empresas, Construção e Obras Públicas, com 1.722 novos projetos, Hotelaria/Restauração (1.500), Comércio a Retalho (1.243) e Transportes (1.172). Contudo, em termos comparativos, todos os setores de atividade apresentam decréscimos significativos, com as descidas mais acentuadas a verificarem-se na Indústria Extrativa (-77,3%), Hotelaria/Restauração (-41,6%), Construção e Obras Públicas (-39%), Outros Serviços (-38%), Comércio e Veículos (-37,8%), Comércio a Retalho (-37%), Comércio por grosso (-35,8%), Transportes (-33%), Agricultura, Caça e Pesca (-32,1%), Indústria de Transformação (-32%), Telecomunicações (-31,3%) e Eletricidade, Gás, Água (-25,2%).

Ler mais
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários