International Business Group compra 12% da Media Capital

Foi anunciado hoje a compra de mais 17% da Media Capital. Todos juntos, os novos acionistas da companhia detém 60,5% da dona da TVI, faltando ainda conhecer quem fica com os restantes 4% ainda não anunciados.

O International Business Group (IBG) anunciou hoje que comprou 10,11 milhões de ações da Media Capital, o correspondente a 11,9725% da empresa.

Segundo o comunicado do IBG, uma holding o “texto do contrato assinado entre as partes, prevê que a aquisição esteja sujeita à verificação de condições prévias”.

O IBG é um holding multinacional que detém empresas no setor da construção, serviços, imobiliário, revestimentos e indústria, que detém, por exemplo, a Caravela Seguros.

Desta forma, “só após a comunicação pela Prisa/Vertix de que as referidas condições se verificaram – o que todavia não sucedeu – é que teremos por certa e perfeita a aquisição das ações por parte da IBG”.
Nessa altura, procederemos então à comunicação a que estamos legalmente obrigados.

A Media Capital também informou hoje o mercado que recebeu uma notificação a sinalizar a compra mais de 4,2 milhões de ações da empresa, o equivalente a 5%.

“A aquisição das participações será subscrita por uma sociedade comercial que se encontra em processo de constituição”, pode-se ler no comunicado, assinado por Pedro Mendes Ferreira.

Outro dos novos acionistas da Media Capital é Cristina Ferreira, a senhora televisão, que passou a deter 2,5% da empresa. A apresentadora é também a nova diretora de entretenimento e ficção do canal de Queluz de Baixo.

A 10 de setembro, foram anunciados vários novos acionistas que passaram a deter 41% da Media Capital.

Com 20% do capital da cotada, a Triun com sede em Lisboa é controlada por Paulo Alexandre Francisco Gaspar, Mariana da Mota Francisco Gaspar e Francisco Miguel da Mota Gaspar, da família que detém a Lusiaves.

Já a Zenithodyssey detém 16% da Media Capital. Esta sociedade é detida em 50% pela sociedade CIN, com sede na Maia; 18% pela sociedade Polopiqye, com sede em Santo Tirso, sociedade controlada pelo empresário Luis Miguel Carvalho Lopes Guimarães; 12% pela sociedade Volume Volátil, com sede em Fafe, controlada pelo empresário Filipe Barbosa Carvalho; 10% pela sociedade Alfredo & Carlos, com sede em Creixomil, Guimarães, controlada pelo empresário Alfredo José Machado Alves Pereira e pelo empresário Carlos Alberto Machado Alves Pereira.

Já a Fitas e Essências, com sede na Maia, fica com 3%, com esta sociedade a ser controlada pelo sócio maioritário Stéphane Rodolphe Picciotto.

Com 3%, está Manuel José Lemos de Ferreira Lemos, de Mirandela.

Já o empresário Mário Ferreira, dono da Douro Azul, vai continuar a deter 30% da TVI, através da Pluris Investments.

Ler mais
Relacionadas

Cristina Ferreira diz que comprou 2,5% da TVI com as suas poupanças e rejeita que tenha de pagar 20 milhões à SIC

A apresentadora disse que pagar 20 milhões à SIC é um número “sem fundamento”, mas avança que vai pagar uma cláusula de rescisão, conforme prevista no contrato. “Vivendo em liberdade, cada um pode fazer as suas escolhas”, disse Cristina Ferreira.

Oficial: Cristina Ferreira compra 2,5% da dona da TVI

A senhora televisão fechou a compra de 2,5% da Media Capital.

Já são conhecidos os novos donos de 41% do capital da dona da TVI

Neste momento, já é conhecida a identidade de 41% do novo capital da Media Capital, mas ainda falta conhecer quem detém os restantes 23% que estavam à venda pela Prisa.
Recomendadas

Airbus revela três protótipos de aviões a hidrogénio

A construtora aeronáutica quer tomar a dianteira da transição energética no seu setor, apostando no hidrogénio como o combustível para os protótipos que esta segunda-feira deu a conhecer. Mas a entrada ao serviço só vai ter lugar a partir de 2035.

Bruxelas dá ‘luz verde’ à venda da Brisa a consórcio internacional

A DG Comp aprovou a venda da Brisa ao consórcio formado pelo holandeses APG, pelos coreanos NPS e pelos suíços da SLAM. Grupo José de Mello continua com uma posição de 17%.

CTT faz parceria com startup Offcoustic para instalar cabines telefónicas em escritórios

O operador postal é responsável pela venda, transporte e montagem de “phone booths” nas empresas que estão a retomar a sua atividade presencial.
Comentários