Inundações em Veneza atingem nível mais alto desde 1966

O presidente da Câmara de Veneza culpou hoje as alterações climáticas pelas inundações da cidade histórica que atingiu o nível mais alto desde 1966, estando prevista para hoje nova subida das águas.

A marca da água atingiu 1,87 metros na terça-feira, o que significa que mais de 85% da cidade foi inundada. O nível mais alto registado até agora foi de 1,98 metros durante as inundações em 1966.

O governador da região de Veneto, Luca Zaia, disse que uma pessoa morreu, embora a causa não seja clara.

Na terça-feira, grande parte da cidade estava submersa e a famosa Basílica de São Marcos estava inundada, levantando novas preocupações sobre os danos aos mosaicos e outras obras de arte que estão no seu interior.

As autoridades estimam uma segunda inundação que pode chegar até aos 1,60 metros a meio da manhã de hoje.

O presidente da Câmara de Veneza, Luigi Brugnaro, culpou as alterações climáticas pela “situação dramática” e pediu a rápida conclusão de um projeto que está atrasado para a construção de barreiras exteriores.

Chamadas de “Moisés”, as barreiras móveis submarinas destinam-se a limitar as inundações na cidade, causadas por ventos de sul que empurram a maré para Veneza.

No entanto, o polémico projeto tem a oposição dos ambientalistas que estão preocupados com os danos no ecossistema da lagoa. O projeto foi adiado devido aos custos excessivos e escândalos de corrupção.

A chuva intensa tem caído desde terça-feira em Itália, afetando em particular as regiões da Sicília, Calábria e Basilicata e Veneza, que se confrontou também com uma ‘acqua alta’ (maré alta) excecional.

Em Veneza, a célebre praça de São Marcos está submersa devido também à maré alta excecional, situação que deverá durar até sábado.

O vestíbulo da basílica de São Marcos, joia da cidade, também foi inundado e o seu procurador (autoridade local), Pierpaolo Campostrini, preveniu os turnos de guarda para vigiarem a subida da água.

Segundo Campostrini, uma inundação como a de terça-feira ocorreu apenas cinco vezes na história da basílica – erigida em 828 e reconstruída depois de um incêndio em 1063 -, com o dado mais preocupante de três destas cinco situações terem ocorrido nos últimos 20 anos, com a última a verificar-se em 2018.

Ler mais
Recomendadas

Da manipulação do vírus pela imprensa ao comum mortal. As frases polémicas de Jair Bolsonaro

Desde janeiro, quando o vírus se começou a propagar pelo mundo e pelo Brasil, que o presidente brasileiro desvalorizou a crise sanitária do novo coronavírus, chegando a atacar governadores e ministros da Saúde por terem ideias contrárias às suas.

UGT espanhola propõe um ano de teletrabalho para funcionários do Estado

Sindicato pretende regular o regime de trabalho com uma negociação coletiva. Após o confinamento, mais de metade dos funcionários públicos retomaram o trabalho de forma presencial.

EUA vão pagar 1,4 mil milhões de euros para Novavax desenvolver 100 milhões de vacinas da Covid-19

O governo dos EUA decidiu apostar e confiar na Novavax, uma empresa do estado do Maryland que nunca colocou um produto no mercado.
Comentários