Investimento de 54 milhões para produzir mirtilos em Alcácer do Sal

“Esta produção, completamente biológica, permitirá colher uma média de 9 mil toneladas de mirtilos por ano, que se destinam essencialmente a exportação, mas também ao preenchimento das necessidades nacionais”, segundo a autarquia de Alcácer do Sal.

O concelho de Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal, vai realizar um investimento na área da produção biológica de mirtilos. Este investimento poderá potenciar o concelho como uma referência na produção deste fruto, contribuindo para tornar Portugal numa referência a nível internacional.

O investimento vai acontecer na antiga fábrica da Torrinha, em Montalvo, que será requalificada, segundo um comunicado da autarquia de Alcácer do Sal esta quinta-feira, 5 de setembro.

Trata-se de um investimento na ordem dos 54 milhões de euros realizado pela empresa Carsol Fruit Portugal, detida em partes iguais pela família do empresário Filipe de Botton e pela família Carrasco.

O valor de investimento neste projeto inclui a aquisição dos campos e plantações, além dos edifícios que irão servir para a refrigeração e embalamento do fruto.

No comunicado, a câmara municipal de Alcácer do Sal revela que até 2022 a área de plantação contará com 400 hectares, com o início da produção previsto para 2025. “Esta produção, completamente biológica, permitirá colher uma média de 9 mil toneladas de mirtilos por ano, que se destinam essencialmente a exportação, mas também ao preenchimento das necessidades nacionais”, segundo a autarquia.

O município adianta que vão ser criados 200 postos de trabalho definitivos no concelho, mas que no pico da campanha do mirtilo, ou seja, na apanha do fruto, o número de empregos temporários pode chegar aos 2.500.

Ler mais
Recomendadas

UMinho cria app que alerta agricultores sobre mudanças climáticas

A instituição está a criar uma plataforma de suporte à tomada de decisão no setor da água, de modo a planear cenários de exploração agrícola e uso hídrico a médio e longo prazo.

Presidente da CAP: “Temos que pensar na questão das barragens que seja possível construir”

Energias renováveis; gestão da água; gestão do solo; florestas; desenvolvimento industrial, agroindustrial e agroflorestal; promoção comercial e centros de I&D – Investigação & Desenvolvimento são as sete áreas prioritárias focadas pelo documento estratégico da CAP, ‘Ambição Agro 2020-30’, que foi apresentado hoje, dia 24 de setembro, no Centro Cultural de Belém.

CAP apresenta contributo para plano de Costa Silva para a recuperação económica do país

O grande objetivo deste documento estratégico, que vai ser apresentado hoje, dia 24 de setembro, no Centro Cultural de Belém, pela organização liderada por Eduardo Oliveira e Sousa, é acelerar a recuperação económica e impulsionar o setor agroflorestal e o interior do país.
Comentários