PremiumInvestimento público está a crescer abaixo do que Portugal precisa

Sinais de recuperação em 2018 não impedem novo agravamento do défice de reposição de capital. Economistas alertam para impacto na produtividade.

Na reta final da legislatura o investimento público dá sinais de recuperação, com um ligeiro aumento em 2018 face ao ano anterior. Porém, uma radiografia detalhada revela que o novo investimento continua longe de ser suficiente para compensar o desgate do já realizado, o que tem implicações na capacidade de produção futura.

A Formação Bruta de Capital Fixo das administrações públicas aumentou para 3.965,2 milhões de euros em 2018 – face aos 3.563,5 mihões de euros do ano anterior, segundo as Contas Nacionais por Setor Institucional, divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística esta semana. Por outro lado, o consumo de capital fixo fixou-se em 5.545,3 milhões de euros no ano passado, o que se traduz numa diferença de 1.580,1 milhões entre as duas componentes em 2018.

Apesar da dificuldade técnica em contabilizar a desvalorização corrente de capital e obsolescência dos equipamentos, a relação entre estas duas forças contribui para avaliar a desvalorização corrente de capital. A conclusão é que Portugal continua a registar um défice na reposição do stock de capital público.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Défice ficou em 0,5% em 2018, o mais baixo de sempre em democracia

Défice orçamental fixou-se em 0,5% do PIB em 2018, 0,2 pontos percentuais abaixo da meta do Governo. Confirmação chegou esta terça-feira, com a primeira notificação de 2019 relativa ao procedimento por défice excessivo, que o INE enviou ao Eurostat.

Bruxelas alerta para “aumento contínuo” de investimento estrangeiro na UE

O relatório realça também que os investidores ‘offshore’ controlam 11% das empresas da UE detidas por estrangeiros e 4% de todos os ativos nas mãos de estrangeiros, “e a sua presença está a aumentar”.

Banco de Portugal ligeiramente menos otimista sobre crescimento da economia: 1,7% em 2019

Banco de Portugal explica que a perspetiva de redução do crescimento é comum a outras economia, nomeadamente da zona euro, estando associado à maturação de um ciclo. BdP antecipa uma mudança de cenário na balança de bens e serviços já no próximo ano. Estimativas apontam ainda que o crescimento das importações será maior do que o das exportações, o que se traduz num saldo negativo da balança de bens e serviços a partir de 2020.
Recomendadas

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Governo já pediu a Bruxelas que IVA da luz possa variar em função do consumo

Executivo já iniciou processo para ter autorização da Comissão Europeia para criar escalões de consumo para o IVA da eletricidade.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para bebés em Portugal este ano

Francisco foi pela primeira vez o nome mais escolhido para rapazes, Maria mantém a primeira posição entre as raparigas.
Comentários