PremiumIrão-Estados Unidos: “Um cenário instável e muito perigoso”

Investigadora e ex–secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto acha que uma guerra imediata e direta entre Estados Unidos e Irão é um cenário pouco provável. Entretanto, o Ocidente já averbou a primeira derrota: os elementos mais pró-ocidentais e liberais do regime de Teerão deixaram de contar no quadro da política interna. Como tantas vezes antes, o Irão está nas mãos dos mais radicais – um serviço que o resto do mundo pode agradecer a Donald Trump.

Em fevereiro de 2019, a Casa Branca organizou em Varsóvia, capital da Polónia, uma espécie de cimeira internacional que tinha como questão de fundo a resposta àquilo que a administração chefiada por Donald Trump entendia ser o regime de constantes provocações internacionais sancionadas pelo poder de Teerão. Entre os cerca de 65 a 70 países presentes não constavam delegações de relevo dos países europeus – o que induzia desde logo o fracasso potencial da cimeira –, mas o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo não deixou de concluir que o mundo tendia a aproximar-se da visão catastrofista que a Casa Branca entendeu desde sempre ter sobre o regime iraniano posterior ao muitíssimo apreciado Xá da Pérsia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumDespenalizar não é querer, é respeitar

Despenalizar a eutanásia, e o suicídio assistido, não significa ser a favor da eutanásia. Mesmo nas circunstâncias restritas que vão ser discutidas e eventualmente aprovadas dia 20, o Estado não será a favor da eutanásia. Dizer o contrário é tão falso como, permita-se o paralelo, dizer que o Estado é a favor da interrupção voluntária da gravidez porque a despenalizou.

PremiumDavid E. Bloom: “Idosos questionam-se sobre como subsistir 20 anos na reforma”

O guru da demografia alerta que estamos na derradeira década para implementar políticas que evitem “cenários catasfróficos”. Mas também salienta que nem tudo será negativo; apenas diferente. Para o professor da Universidade de Harvard, os mais velhos deviam poder escolher trabalhar mais tempo.

PremiumBong Joon-Ho: Aconteceu numa noite a um cineasta asiático perdido na tradução

Realizador sul-coreano chegou à 92.ª cerimónia de entrega dos Óscares como o favorito dos críticos de cinema e saiu com quatro estatuetas douradas e um feito histórico. Com a tradutora Sharon Choi sempre ao lado, Bong Joon-Ho avisou a plateia que pretendia terminar a noite a beber.
Comentários