“Iremos acelerar o programa de financiamento”, diz Cristina Casalinho

“Neste momento o que podemos dizer em Portugal é exatamente a mesma coisa [que Espanha], iremos acelerar o programa, dentro das necessidades existentes”, sublinhou a presidente do IGCP à Rádio Observador, chamando atenção para a divulgação, na próxima semana, do programa de financiamento para o segundo trimestre.

Cristina Bernardo

Portugal vai acelerar o programa de emissão de dívida pública, em linha com o que já foi feito por Espanha e outros paises europeus, afirmou esta quinta-feira Cristina Casalinho, presidente do Instituto de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) , sinalizando que essa reação ao impacto da pandemia do Covid-19 nas contas públicas poderá ser anunciado já na próxima semana, no programa de financiamento para o segundo trimestre.

Em entrevista à Rádio Observador, Casalinho referiu que “neste momento os planos são de manter o programa de financiamento ajustado às novas necessidades de financiamento, mas sobretudo seguindo aquilo que tem sido o exemplo de outros países neste momento dada a incerteza sobre as necessidades que a pandemia vai implicar nos orçamentos europeus, estamos sobretudo a pensar numa aceleração dos programas e ajustar ao longo do ano e ajustar para as necessidades que vão surgindo”.

Questionada sobre se Portugal vai alterar o calendário, a presidente do IGCP disse que “o que está publicado neste momento ainda se mantém”, mas chamou atenção para o facto que “na próxima semana vai ser publicado o novo programa de financiamento para o próximo trimestre, portanto nessa altura serão publicadas as alterações que forem consideradas adequadas”.

“O que as agências de gestão de dívida estão a fazer neste momento de incerteza é por enquanto ainda não alterarem significativamente os seus programas, à excepção por exemplo da Alemanha que já anunciou mais 100 mil milhões de financiamento que vão ter de ser executados, as outras não foram tão taxativas”, explicou.

Casalinho recordou o exemplo de Espanha que esta terça-feira fez uma emissão dívida. A agência espanhola disse ainda não tinha condições para fazer uma alteração formal do programa, mas comunicou ao mercado que está a acelerar o programa de financiamento.

“Neste momento por enquanto o que nós podemos dizer em Portugal é exatamente a mesma coisa, iremos acelerar o programa, dentro das necessidades existentes”, sublinhou Cristina Casalinho.

Questionada sobre se a pandemia vai forçar uma subida do rácio da dívida pública em Portugal, como aconteceu em 2008, a presidente do IGCP disse que é impossível afirmar isso ainda.

“O que sabemos é que temos dois tipos de choque, da mesma forma que tívemos em 2008, que são choques na atividade económica e que vão reduzir a base da economia e portanto quando estamos a avaliar o rácio da dívida em percentagem do PIB vamos ter o PIB a cair, e simultâneamente vamos ter os défices a aumentar, portanto vamos ter dois choques igualmente adversos, quer no numerador, quer no denominador”, explicou.

“A única diferença que deve ser salientada na crise atual é que enquanto em 2008 e 2009 houve um choque assimétrico, ou seja, houve economias que sentiram a crise de uma forma particularmente aguda, no atual quadro vemos que a crise é um choque simétrico e todas as economias estão a sentir da mesma forma”, adiantou.

Ler mais

Relacionadas

Na luta contra impacto do vírus, BCE elimina limite por país na compra de ativos

No programa de compra de ativos lançado por Mario Draghi em 2015 para combater a crise das dívidas soberanas o BCE podia comprar até 33% da dívida emitida por cada país. No  Pandemic Emergency Purchase Programme (PEPP), lançado no dia 18 de março, esse limite já não será aplicado, permitindo ao BCE direcionar as compras com maior flexibilidade.

Draghi: “Bancos devem rapidamente emprestar dinheiro a custo zero às empresas para salvar empregos”

O antigo banqueiro central defende que os empréstimos bancários devem ter garantias estatais para enfrentar a “recessão” provocada pelo novo coronavírus. Em Portugal, o primeiro-ministro anunciou esta semana que os bancos vão poder cobrar um spread de 1% a 1,5% sobre os empréstimos às empresas e que as garantias estatais vão cobrir entre 80% a 90% do montante.
Recomendadas

Diretores de jornais e revistas lançam apelo: diga não à pirataria

Numa iniciativa inédita, os diretores dos principais jornais e revistas de Portugal juntaram-se num apelo conjunto aos leitores para que digam não à pirataria. O jornalismo de qualidade só será viável se tiver o apoio dos seus leitores.

Mais de 80% dos pacientes infetados com Covid-19 estão a recuperar em casa

Segundo os dados hoje divulgados, existem 1.124 profissionais de saúde infetados pelo novo coronavírus (Covid-19) em Portugal.

Recorde. 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego em duas semanas

Número semanal de pedidos de desemprego bate um recorde pela segunda semana consecutiva, atingindo os 6,6 milhões de trabalhadores. Em duas semanas, 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego devido à pandemia da Covid-19.
Comentários