Isabel dos Santos deve mais de 500 milhões de euros à banca

O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades, noticia o “Expresso”. “Correio da Manhã” revela que CGD e BCP concentram os valores mais elevados dos empréstimos.

DR Eneias Rodrigues/LUSA

A empresária angolana Isabel dos Santos deve 570 milhões de euros à banca portuguesa, levando o Banco de Portugal a pedir a bancos e auditores para avaliarem se todos os financiamentos estão cobertos por imparidades, noticia o jornal “Expresso”, na edição deste sábado.

Segundo o semanário, 13 instituições bancárias concederam créditos à filha do ex-presidente de Angola, mas três bancos concentram a maior parte da dívida. O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre todos os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades.

Também o “Correio da Manhã” revela este sábado que dos créditos concedidos a empresas de Isabel dos Santos entre 2009 e 2015, num total de 420 milhões de euros pela banca nacional para a compra de ações do BPI, da Zon e da Efacec, 306 milhões de euros já terão sido reembolsados. O matutino revela ainda que os bancos mais expostos foram o BCP, que emprestou 172 milhões de euros, e a Caixa Geral de Depósitos, que concedeu cerca de 148 milhões de euros.

Segundo o Correio da Manhã, o crédito de 160 milhões de euros concedido pelo BCP para comprar uma participação de 9,69% no BPI, já foi amortizado, mas os restantes créditos ainda estarão por amortizar.

Recomendadas

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

BPI alarga moratórias para famílias e empresas com carência de capital entre seis a doze meses

A partir de segunda-feira, os clientes que estejam em situação regular com o BPI poderão beneficiar do alargamento do regime da moratória publica junto do banco, que prevê dar carências de capital entre seis e doze meses.

Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.
Comentários