Isabel dos Santos deve mais de 500 milhões de euros à banca

O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades, noticia o “Expresso”. “Correio da Manhã” revela que CGD e BCP concentram os valores mais elevados dos empréstimos.

DR Eneias Rodrigues/LUSA

A empresária angolana Isabel dos Santos deve 570 milhões de euros à banca portuguesa, levando o Banco de Portugal a pedir a bancos e auditores para avaliarem se todos os financiamentos estão cobertos por imparidades, noticia o jornal “Expresso”, na edição deste sábado.

Segundo o semanário, 13 instituições bancárias concederam créditos à filha do ex-presidente de Angola, mas três bancos concentram a maior parte da dívida. O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre todos os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades.

Também o “Correio da Manhã” revela este sábado que dos créditos concedidos a empresas de Isabel dos Santos entre 2009 e 2015, num total de 420 milhões de euros pela banca nacional para a compra de ações do BPI, da Zon e da Efacec, 306 milhões de euros já terão sido reembolsados. O matutino revela ainda que os bancos mais expostos foram o BCP, que emprestou 172 milhões de euros, e a Caixa Geral de Depósitos, que concedeu cerca de 148 milhões de euros.

Segundo o Correio da Manhã, o crédito de 160 milhões de euros concedido pelo BCP para comprar uma participação de 9,69% no BPI, já foi amortizado, mas os restantes créditos ainda estarão por amortizar.

Recomendadas

PJ já foi buscar obras de arte à casa de João Rendeiro (com áudio)

Das 124 obras de arte do banqueiro em fuga, 15 desapareceram e três já foram identificadas como falsas pela PJ, revela o “CM”.

EuroBic com prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre

O EuroBic registou prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre, graças a imparidades de ativos financeiros não mensurados pelo justo valor de 13,5 milhões de euros.

Venda do Novo Banco há 4 anos “foi indispensável para garantir a estabilidade financeira”, diz Máximo dos Santos

Faz esta segunda-feira quatro anos que o banco que Bruxelas queria que fosse liquidado foi vendido à Lone Star. Luís Máximo dos Santos e Sérgio Monteiro, ambos protagonistas na operação de venda de 75% do Novo Banco, defendem ao JE que foi a solução que melhor salvaguardou a estabilidade. Numa trajetória de lucros, o Novo Banco prepara-se para apresentar a nova imagem esta semana.
Comentários