Isabel dos Santos deve mais de 500 milhões de euros à banca

O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades, noticia o “Expresso”. “Correio da Manhã” revela que CGD e BCP concentram os valores mais elevados dos empréstimos.

DR Eneias Rodrigues/LUSA

A empresária angolana Isabel dos Santos deve 570 milhões de euros à banca portuguesa, levando o Banco de Portugal a pedir a bancos e auditores para avaliarem se todos os financiamentos estão cobertos por imparidades, noticia o jornal “Expresso”, na edição deste sábado.

Segundo o semanário, 13 instituições bancárias concederam créditos à filha do ex-presidente de Angola, mas três bancos concentram a maior parte da dívida. O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre todos os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades.

Também o “Correio da Manhã” revela este sábado que dos créditos concedidos a empresas de Isabel dos Santos entre 2009 e 2015, num total de 420 milhões de euros pela banca nacional para a compra de ações do BPI, da Zon e da Efacec, 306 milhões de euros já terão sido reembolsados. O matutino revela ainda que os bancos mais expostos foram o BCP, que emprestou 172 milhões de euros, e a Caixa Geral de Depósitos, que concedeu cerca de 148 milhões de euros.

Segundo o Correio da Manhã, o crédito de 160 milhões de euros concedido pelo BCP para comprar uma participação de 9,69% no BPI, já foi amortizado, mas os restantes créditos ainda estarão por amortizar.

Recomendadas

Possibilidade de moratórias de crédito serem prorrogadas é muito escassa, diz APB

Faria de Oliveira disse ainda que as moratórias não “são o fim da linha” e que as informações que lhe chegam dos bancos é de um “impacto muito reduzido” desde que terminaram as primeiras moratórias, o que aconteceu em 31 de março, com cerca de 86 mil famílias a retomarem o pagamento dos seus créditos à habitação este mês de abril.

Novo Banco: valor dos juros gerados pelos ativos do CCA pode compensar parte das injeções do FdR

Os deputados têm levantado a questão de os juros associados aos ativos do mecanismo de capital contingente, quando não são recebidos acrescerem às perdas, mas quando são recebidos não abaterem às perdas. A audição desta terça-feira foi a João Gomes Ferreira, partner da Deloitte, que fez a auditoria especial ao Novo Banco.

Banca apertou critérios de concessão de crédito a empresas e ao consumo no primeiro trimestre

Os critérios de concessão de crédito foram ligeiramente mais restritivos no crédito a empresas, designadamente a PME, e no crédito ao consumo e outros fins. Tendo ficado praticamente inalterados no crédito à habitação. As razões prendem-se com a maior perceção de riscos associados à situação e perspetivas de sectores ou empresas específicos e, em menor grau, de riscos associados à situação e perspetivas económicas e às garantias exigidas.
Comentários