ISEG: Crescimento do PIB no segundo trimestre deve manter-se ao nível do primeiro

Na síntese de conjuntura de junho, o ISEG continua a manter a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa para este ano: 1,6% a 2%.

O crescimento do PIB no segundo trimestre deve manter-se ao nível primeiro trimestre, estimam os especialistas do ISEG. A economia portuguesa cresceu 1,8% nos primeiros três meses deste ano.

“Os primeiros dados quantitativos relativos ao 2º trimestre sugerem um crescimento estável do Consumo Privado, um menor crescimento do Investimento e um contributo negativo da Procura Externa Líquida”, começam por destacar os especialistas do ISEG numa nota divulgada esta quarta-feira, 26 de junho.

“Apesar de reduzida, a informação relativa ao 2º trimestre sugere que o crescimento homólogo do PIB neste trimestre possa manter-se ao nível do registado no 1º trimestre”, prevêem.

Na síntese de conjuntura de junho, o ISEG continua a manter a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa para este ano. “Atendendo ao crescimento registado no 1º trimestre, e aos desenvolvimentos da economia europeia e nacional, manteve-se a previsão para o crescimento do PIB em 2019 no intervalo [1,6% a 2,0%]”.

O ISEG aponta que o crescimento do PIB em 1,8% no primeiro trimestre “ocorreu num contexto de efeitos temporários instáveis e teve como principal causa direta uma forte aceleração do investimento cujo impacto em termos de crescimento do PIB foi limitado pelo fraco crescimento das Exportações e o forte crescimento das Importações e, em consequência, um forte contributo negativo da Procura Externa Líquida”.

A melhoria dos indicadores na zona euro não teve repercussão em Portugal, destaca o ISEG. “Os indicadores de clima e confiança caracterizaram-se, na generalidade da Área Euro, por uma melhoria em maio, a primeira no corrente ano, mas esse comportamento não se verificou em Portugal”.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.
Comentários