Israel: Netanyahu assegura que o pais se encaminha para novas eleições

Os parceiros de coligação acusam-se mutuamente de falta de diálogo e de responsabilidade por não haver um Orçamento de Estado aprovado para 2021. Serão as quartas eleições antecipadas em apenas dois anos.

Ronen Zvulun /Reuters

“Sem dúvida” que Israel se encaminha para novas eleições, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, citado por vários jornais, para comentar a aparentemente inultrapassável crise do Orçamento do Estado – que a coligação no poder não consegue fechar. Likud e a coligação Kahol Lavan – que formam a aliança entre Netanyahu e o ministro da Defesa, Benjamin Gantz (e primeiro-ministro em regime de rotatividade) – não se entendem sobre o OE e em dezembro, se não for antes, isso ditará o fim do executivo e a marcação automática de eleições.

Num sinal de que a queda do governo se aproxima, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse esta quinta-feira que as eleições estão próximas e culpou os seus parceiros de coligação pelo desentendimento. “Quando os acordos não são respeitados por parte do Kahol Lavan, não há dúvida de que estamos a caminho das eleições”, disse.

Netanyahu acusa Gantz de governar sem qualquer diálogo – o que é precisamente aquilo de que o ministro da Defesas acusa o ‘seu’ primeiro-ministro. A margem de conciliação é por isso mínima ou mesmo inexistente, como diz a maioria dos analistas.

O ambiente no seio da coligação já era mau, mas na semana passada tudo piorou quando Benjamin Gantz decidiu formar de uma equipa governamental para investigar o chamado ‘caso do submarino’ – em tudo idêntico, nomeadamente no que diz respeito à empresa construtora alemã e ao seu modo de operar, ao caso que aconteceu em Portugal e envolveu o então ministro do CDS Paulo Portas. Vários aliados de Netanyahu estão envolvidos no pagamento de subornos, como os jornais vêm noticiando a muitos meses.

“Quem viola acordos, impede nomeações e priva o Estado de um orçamento durante meses por motivos políticos e pessoais é Benjamin Netanyahu”, disse o partido de Gantz num comunicado oficial. “Não é por acaso que nas sondagens a esmagadora maioria do eleitorado acusa Netanyahu de fazer tudo para provocar eleições, o é porque é verdade”.

De acordo com uma sondagem divulgada esta quarta-feira, 44% do eleitorado culparia Netanyahu de ser responsável por novas eleições antecipadas (as quartas em dois anos), 31% culparia Netanyahu e Gantz, e 16% culparia apenas Gantz.

Ler mais
Recomendadas

Tomada de posse de Biden marcada pela segurança e sem qualquer distúrbio

As preocupações com segurança no dia da transição de poder nos EUA levou a um aparato nunca antes visto em Washington, mas também nos Capitólios estatais por todo o país. A cerimónia correu, ainda assim, sem imprevistos ou distúrbios.

Tomada de posse de Joe Biden: 23 minutos de apelo à unidade

Num discurso praticamente monotemático, o novo presidente dos Estados Unidos afirmou saber as causas da fratura em que o país vive e pediu a todos que se lhe juntem para salvar a democracia. Trump, o assalto ao Capitólio e a Covid-19 foram os temas omnipresentes.

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.
Comentários