IVAucher: Contribuintes acumularam 82 milhões de euros até agosto

Há 12 bancos que já assinaram os protocolos para o reembolso direto aos contribuintes, mas o Jornal Económico sabe que a lista será alargada, entre estes está o Banco CTT.

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais | Cristina Bernardo

Os contribuintes acumularam 82 milhões de euros entre junho e agosto ao abrigo do programa IVAucher. O número foi adiantado pelo Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, na cerimónia simbólica dos compromissos de honra de participação no Programa IVAucher pelas entidades emitentes de cartões bancários que vão participar no programa.

“Hoje temos como valor acumulado 82 milhões de euros, que os consumidores têm à sua disposição para utilizar como desconto”, afirmou António Mendonça Mendes, esta terça-feira, em declarações aos jornalistas à margem do evento, durante o qual decorreu também a entrega simbolicamente o Selo IVAucher às associações representantes dos setores alojamento, cultura e restauração aderentes.

O responsável governativo explicou que tal “significa um aumento de 12% face aquilo que eram os consumos em 2019 numa altura pré-pandemia. Tínhamos 600 milhões de consumo neste trimestre em 2019”.

“Temos hoje 680 milhões de consumo neste trimestre de 2021 e 82 milhões de euros deste consumo que diz respeito ao IVA vai ser integralmente devolvido para ser gasto pelos consumidores entre outubro e dezembro”, vincou.

No início de setembro, o balanço preliminar das Finanças apontavam para 47,5 milhões de euros acumulados entre junho e julho no programa IVAucher, somando 13,2 milhões de faturas no setor de alojamento, cultura e restauração. Segundo os dados preliminares das Finanças, os contribuintes acumularam 47,5 milhões de euros em junho e julho, acima dos 34,2 milhões de euros registados em 2020, mas ainda assim ligeiramente abaixo dos 47,6 milhões de euros de 2019.

A partir de dia 1 d outubro os contribuintes vão poder começar a usar os descontos do programa, num reembolso que será feito diretamente pelos bancos. São 12 as instituições financeiras que já assinaram o protocolo com o Estado, entre estes o Banco Montepio, Banco Atlântico, o Bankinter, o BBVA, o BPI, a CGD, o Eurobic, o BCP, o Novo Banco, o Santander, a Sonae Financial Services e a Unicre.

No entanto, o Jornal Económico sabe que esta lista ainda irá ser alargada, uma vez que ainda decorrem negociações. Entre estas instituições está o Banco CTT, presente na cerimónia, mas que não subiu ao palco porque o protocolo ainda não foi assinado.

Relacionadas

IVAucher: Consumidores vão ter em novembro novo período para validar faturas

Para ultrapassar o facto de existirem empresas que se atrasam a comunicar futuras e dos contribuintes da categoria B terem que validar as faturas para que estas sejam elegíveis para o programa, as Finanças vão permitir em novembro um novo período de classificação.

Saldo do IVAucher que fique por usar é canalizado para dedução ao IRS

Os contribuintes vão ter três meses, de 01 de outubro a 31 de dezembro, para descontarem em compras nos setores da restauração, alojamento e cultura o valor do IVA que acumularam nos consumos realizados nestes três setores entre junho e agosto e aos quais tenham associado o seu NIF aquando da emissão da fatura.

IVAucher. Valor dos descontos será reembolsado no prazo máximo de dois dias úteis

O IVA que “vai e volta”, será reembolsado aos consumidores no prazo de dois dias. Em junho, o Governo anunciou que os contribuintes tinham acumulado ao abrigo do programa 21,2 milhões de euros.
Recomendadas

Número de inscritos no IEFP cai para valor mais baixo desde março de 2020

O desemprego continou em tendência decrescente pelo sexto mês consecutivo. De acordo com os dados do IEFP, estavam registados, em setembro, 359.148 desempregados.

Parceiros sociais mantêm visão negativa sobre proposta do Governo na lei laboral

Os presidentes da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António saraiva, e da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, falavam à entrada da reunião da Concertação Social.

Governador do banco central da Alemanha demite-se por “razões pessoais”

Jens Weidmann, que durante mais de dez anos liderou o Bundesbank anunciou que irá abandonar o seu cargo no final deste ano. O economista alemão era tido como opositor à política expansionista de Mario Draghi no BCE em resposta à crise de dívida soberana.
Comentários