Já há acordo com privados. Estado adquire 100% do SIRESP por 7 milhões de euros

Governo acordou o pagamento de um total de 7 milhões de euros à Altice Portugal e à Motorola Solutions Portugal, pela transferência das suas participações na operadora gestora do SIRESP. A partir do dia 1 de dezembro, a gestão e o controlo total da rede nacional de emergência e segurança é responsabilidade do Estado.

O Governo chegou a acordo com as empresas privadas que integram a sociedade gestora do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), confirmaram ao Jornal Económico fontes ligadas ao processo, esta quinta-feira, 13 de junho. O Estado português passa a deter 100% da SIRESP S.A a partir do dia 1 de dezembro, sendo que o acordo celebrado prevê o pagamento de um total de sete milhões de euros à Altice e à Motorola.

O acordo terá sido alcançado na noite de quarta-feira, 12 de junho, com o Governo a conseguir levar a bom porto as suas pretensões face à Altice Portugal e à Motorola Solutions Portugal – acionistas privados do SIRESP -, e já foi confirmado em conferência de imprensa pelo Executivo, após a reunião do Conselho de Ministros.

Para concretizar a transferência da totalidade das participações privadas na operadora gestora da rede nacional de emergência e segurança, o Estado vai pagar 5,5 milhões de euros à Altice Portugal e 1,5 milhões de euros à Motorola Solutions Portugal. No conjunto das partipações, o Estado acordou a transferência de 33.500 ações.

Até à celebração do acordo, a estrutura acionista da SIRESP S.A, operadora da rede nacional de emergência e segurança, consistia na participação maioritária de 52,1% da PT Móveis (detida pela Altice Portugal), 33% da Parvalorem (sociedade gestora de ativos do Estado) e 14,9% da Motorola Solutions.

Contactada pelo Jornal Económico, fonte oficial da Altice Portugal recusou comentar.

Ontem à noite, o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, tinha garantido que o acordo chegaria a bom porto, considerando que o Estado pagaria “o justo valor que resulta dos livros da empresa”.

Na última semana, em 6 de junho, o primeiro-ministro, António Costa, afirmou no debate quinzenal que o acordo estava pendente por detalhes jurídicos.

Em maio, o Governo tinha admitido a possibilidade de nacionalizar o SIRESP, contudo, o acordo celebrado configura somente uma transferência das participações de empresas privadas para a esfera do Estado.

A notícia deste acordo para a transferência da totalidade das participações privadas na SIRESP S.A para o Estado tinha sido avançada esta manhã pelo jornal “i”.

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: Por que motivo o Estado quer controlar o SIRESP?

A 10 de maio, uma notícia sobre uma dívida e a possibilidade de a SIRESP S.A, a operadora da rede nacional de emergência e segurança criada em 2006, espoletou o início de uma negociação entre o Governo, a Altice Portugal e a Motorola para passar o controlo da SIRESP para o Estado. Na quinta-feira, o primeiro-ministro afirmou já haver acordo, mas os privados disseram que o acordo ainda não está fechado. Saiba o que se passa com estas respostas rápidas.

SIRESP: Altice e Motorola satisfeitas com “conclusão deste longo processo”

Ao início da tarde desta quinta-feira, o Governo anunciou em conferência de imprensa, ter assegurado ao Estado, por sete milhões de euros, as participações dos operadores privados do SIRESP.
Recomendadas

10 mandamentos gastronómicos da Quinta do Lago

Um verdadeiro portfólio gastronómico. Esta é a promessa de tudo aquilo que poderá encontrar na Quinta do Lago. Em cada uma das opções, uma experiência surpreendente. É que, aqui, a Natureza e o luxo andam de mãos dadas.

Toyota traz para Portugal um bestseller mundial

Foi comercializado em Portugal, no passado. É-nos familiar dos filmes e séries norte-americanos, onde se impõe pelo seu reconhecido requinte. Chega agora ao mercado português para se assumir como a proposta de topo da Toyota. Os argumentos são muitos…

ABANCA integra Ana Barros como administradora

A instituição reuniu o seu conselho de administração pela primeira vez em Lisboa. Licenciada no Porto, Ana Barros trabalhou em banca de investimento em Madrid, Nova Iorque e Londres, entre várias outras funções.
Comentários