Já há acordo com privados. Estado adquire 100% do SIRESP por 7 milhões de euros

Governo acordou o pagamento de um total de 7 milhões de euros à Altice Portugal e à Motorola Solutions Portugal, pela transferência das suas participações na operadora gestora do SIRESP. A partir do dia 1 de dezembro, a gestão e o controlo total da rede nacional de emergência e segurança é responsabilidade do Estado.

O Governo chegou a acordo com as empresas privadas que integram a sociedade gestora do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), confirmaram ao Jornal Económico fontes ligadas ao processo, esta quinta-feira, 13 de junho. O Estado português passa a deter 100% da SIRESP S.A a partir do dia 1 de dezembro, sendo que o acordo celebrado prevê o pagamento de um total de sete milhões de euros à Altice e à Motorola.

O acordo terá sido alcançado na noite de quarta-feira, 12 de junho, com o Governo a conseguir levar a bom porto as suas pretensões face à Altice Portugal e à Motorola Solutions Portugal – acionistas privados do SIRESP -, e já foi confirmado em conferência de imprensa pelo Executivo, após a reunião do Conselho de Ministros.

Para concretizar a transferência da totalidade das participações privadas na operadora gestora da rede nacional de emergência e segurança, o Estado vai pagar 5,5 milhões de euros à Altice Portugal e 1,5 milhões de euros à Motorola Solutions Portugal. No conjunto das partipações, o Estado acordou a transferência de 33.500 ações.

Até à celebração do acordo, a estrutura acionista da SIRESP S.A, operadora da rede nacional de emergência e segurança, consistia na participação maioritária de 52,1% da PT Móveis (detida pela Altice Portugal), 33% da Parvalorem (sociedade gestora de ativos do Estado) e 14,9% da Motorola Solutions.

Contactada pelo Jornal Económico, fonte oficial da Altice Portugal recusou comentar.

Ontem à noite, o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, tinha garantido que o acordo chegaria a bom porto, considerando que o Estado pagaria “o justo valor que resulta dos livros da empresa”.

Na última semana, em 6 de junho, o primeiro-ministro, António Costa, afirmou no debate quinzenal que o acordo estava pendente por detalhes jurídicos.

Em maio, o Governo tinha admitido a possibilidade de nacionalizar o SIRESP, contudo, o acordo celebrado configura somente uma transferência das participações de empresas privadas para a esfera do Estado.

A notícia deste acordo para a transferência da totalidade das participações privadas na SIRESP S.A para o Estado tinha sido avançada esta manhã pelo jornal “i”.

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: Por que motivo o Estado quer controlar o SIRESP?

A 10 de maio, uma notícia sobre uma dívida e a possibilidade de a SIRESP S.A, a operadora da rede nacional de emergência e segurança criada em 2006, espoletou o início de uma negociação entre o Governo, a Altice Portugal e a Motorola para passar o controlo da SIRESP para o Estado. Na quinta-feira, o primeiro-ministro afirmou já haver acordo, mas os privados disseram que o acordo ainda não está fechado. Saiba o que se passa com estas respostas rápidas.

SIRESP: Altice e Motorola satisfeitas com “conclusão deste longo processo”

Ao início da tarde desta quinta-feira, o Governo anunciou em conferência de imprensa, ter assegurado ao Estado, por sete milhões de euros, as participações dos operadores privados do SIRESP.
Recomendadas

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.

PremiumPresidente da ATP disponível para novas fusões que unifiquem o setor

Mário Jorge Machado diz que consolidar o associativismo nos têxteis até unir todos os empresários seria benéfico para o setor. Frente internacional é outra prioridade do líder da Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal.
Comentários