Já vai ser possível viver numa casa arrendada para o resto da vida

O Direito Real de Habitação Duradoura confere “a possibilidade de uma pessoa manter a sua residência permanente numa habitação alheia por um período vitalício”, ou seja, o decreto-lei visa que as famílias tenham uma solução habitacional estável sem ter de a comprar.

Cristina Bernardo

Depois da Lei de Bases da Habitação ter sido publicada em Diário da República no passada terça-feira, 3 de setembro, chega agora o Direito Real de Habitação Duradoura. A medida foi aprovada esta quinta-feira, 5 de setembro, em Conselho de Ministros.

O Direito Real de Habitação Duradoura confere “a possibilidade de uma pessoa manter a sua residência permanente numa habitação alheia por um período vitalício”, ou seja, o decreto-lei visa que as famílias tenham uma solução habitacional estável sem ter de a comprar, de forma vitalícia, “mediante o pagamento ao proprietário de uma caução e de uma contrapartida por cada mês de duração do contrato”.

O diploma visa “criar uma solução habitacional alternativa, que compatibiliza a necessidade de segurança e estabilidade com a flexibilidade adequada aos percursos pessoais e familiares, que reduz significativamente o endividamento das famílias”, refere o Ministério das Infraestruturas e Habitação, liderado por Pedro Nuno Santos.

Simultaneamente, a medida prevê constituir “um modelo de rentabilização dos imóveis atrativo para que os proprietários os disponibilizem, aumentando a oferta habitacional em regimes alternativos à compra e venda”.

A nova lei assume que o valor da caução é estabelecido por mútuo acordo de proprietário e arrendatário vitalício, sendo que tem de ser obrigatoriamente “entre 10% e 20% do valor mediano de venda de mercado de habitação, de acordo com a sua localização e dimensão”. O valor é calculado com base no indicador do Instituto Nacional de Estatística que avalia o preço de venda por metro quadrado.

Apesar de já ter sido aprovada em Conselho de Ministros, a medida ainda tem de ser publicada em Diário da República, e só posteriormente à sua publicação se sabe a entrada em vigor deste diploma.

Ler mais
Recomendadas

Deco: Cafés e restaurantes podem proibir clientes de ler ou estudar

Apesar da lei permitir a proibição de leitura ou o estudo no espaço do estabelecimento, há situações que são questionáveis e, sem dúvida alguma, há uma invasão dos direitos do consumidor. Portanto, se alguma vez sentir que estão a privar a sua liberdade individual reclame!

Vive em união de facto? Saiba quais são os seus direitos

Ouviu dizer que, hoje em dia, as uniões de facto produzem os mesmos direitos que os casamentos? Não é inteiramente verdade. Fique a par dos direitos dos unidos de facto.

Siga estas dicas para aumentar a vida da bateria dos seus equipamentos

Um uso intensivo, num ambiente quente, também não é recomendável, pois a bateria pode sobreaquecer e provocar uma descarga mais rápida ou até mesmo danificar o equipamento.
Comentários