Já vai ser possível viver numa casa arrendada para o resto da vida

O Direito Real de Habitação Duradoura confere “a possibilidade de uma pessoa manter a sua residência permanente numa habitação alheia por um período vitalício”, ou seja, o decreto-lei visa que as famílias tenham uma solução habitacional estável sem ter de a comprar.

Cristina Bernardo

Depois da Lei de Bases da Habitação ter sido publicada em Diário da República no passada terça-feira, 3 de setembro, chega agora o Direito Real de Habitação Duradoura. A medida foi aprovada esta quinta-feira, 5 de setembro, em Conselho de Ministros.

O Direito Real de Habitação Duradoura confere “a possibilidade de uma pessoa manter a sua residência permanente numa habitação alheia por um período vitalício”, ou seja, o decreto-lei visa que as famílias tenham uma solução habitacional estável sem ter de a comprar, de forma vitalícia, “mediante o pagamento ao proprietário de uma caução e de uma contrapartida por cada mês de duração do contrato”.

O diploma visa “criar uma solução habitacional alternativa, que compatibiliza a necessidade de segurança e estabilidade com a flexibilidade adequada aos percursos pessoais e familiares, que reduz significativamente o endividamento das famílias”, refere o Ministério das Infraestruturas e Habitação, liderado por Pedro Nuno Santos.

Simultaneamente, a medida prevê constituir “um modelo de rentabilização dos imóveis atrativo para que os proprietários os disponibilizem, aumentando a oferta habitacional em regimes alternativos à compra e venda”.

A nova lei assume que o valor da caução é estabelecido por mútuo acordo de proprietário e arrendatário vitalício, sendo que tem de ser obrigatoriamente “entre 10% e 20% do valor mediano de venda de mercado de habitação, de acordo com a sua localização e dimensão”. O valor é calculado com base no indicador do Instituto Nacional de Estatística que avalia o preço de venda por metro quadrado.

Apesar de já ter sido aprovada em Conselho de Ministros, a medida ainda tem de ser publicada em Diário da República, e só posteriormente à sua publicação se sabe a entrada em vigor deste diploma.

Ler mais
Recomendadas

WiZink lança Unido, a primeira app em Portugal aberta a todos utilizadores

A app gratuita funciona de forma independente, está aberta e disponível para todos os utilizadores, independentemente das entidades financeiras em que sejam clientes.

Sabia que é possível resolver conflitos de consumo através da internet?

Encomendar produtos em sites com sede em qualquer ponto da Europa já não é uma compra sem rede. A plataforma RLL, um sítio interativo, gratuito, acessível em todas as línguas oficiais do espaço europeu, gerida pelo Centro Europeu do Consumidor, pode apoiá-lo em caso de conflito.

Recebeu um SMS em nome do Montepio? Cuidado que pode ser fraudulento

O utilizador recebe uma mensagem a indicar que “por questões de segurança o utilizador foi desativado”. De seguida é fornecido um link que encaminhará o utilizador para uma página falsa que provavelmente irá tentar recolher dados do utilizador ou possivelmente instalar malware. Se recebeu este SMS, ignore. Montepio alerta para “tentativa de fraude”.
Comentários