Jerónimo avisa que PCP se vai posicionar em função das “opções do PS”

O ”direito à habitação”, o “reforço do Serviço Nacional de Saúde”, o “investimento nos transportes públicos” e “a luta por 1% do Orçamento para a Cultura” fazem parte das “frentes de luta” que o PCP pretende anunciar.

“Não se ouviu, mas era importante ouvir o ministro das contas certas explicar aos portugueses como é que isto foi possível: 600 milhões ganhos aqui e que voaram para o estrangeiro.”

O secretário geral do PCP, Jerónimo de Sousa, avisou este sábado, no Porto, que o Partido Comunista vai intervir com ”inteira independência política”, e que se vai posicionar em função das “opções do PS” e dos “instrumentos orçamentais que apresentar”.

Mantendo o PCP a sua iniciativa e intervenção, tal como aconteceu nos últimos quatro anos, será em função das opções do PS, dos instrumentos orçamentais que apresentar e do conteúdo do que legislar que o PCP determinará, como sempre com inteira independência política, o seu posicionamento”, declarou o secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), durante um discurso de cinco páginas que fez na desse do PCP na cidade do Porto.

Na intervenção que fez no âmbito do “Encontro Regional de Quadros”, onde foi anunciada a adesão de mais “mil trabalhadores ao Partido”, Jerónimo de Sousa anunciou que as “frentes de luta” pelas quais o PCP se vai “bater com toda a determinação” prendem-se com o “aumento geral dos salários”, “o aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros”, bem como o “combate à precariedade e revogação das normas gravosas da legislação laboral”.

O ”direito à habitação”, o “reforço do Serviço Nacional de Saúde”, o “investimento nos transportes públicos” e “a luta por 1% do Orçamento para a Cultura” fazem parte das “frentes de luta” que o PCP pretende anunciar e por que se vai “bater, com toda a determinação”.

À lista das “frentes de luta”, Jerónimo de Sousa acrescentou ainda a luta por uma “política fiscal justa”, o “alargamento dos apoios sociais”, a “dignificação da Administração Pública” e a “proteção da natureza”.

“Todo o caminho de avanço e de adoção de medidas que correspondam a direitos e aspirações dos trabalhadores e do povo contará sempre com a intervenção do PCP. Assim como todas e quaisquer medidas contrárias aos seus interesses terão a firme oposição do PCP”, prometeu Jerónimo de Sousa, reconhecendo que “são grandes e exigentes as tarefas que a atual situação coloca ao PCP”.

O secretário-geral do PCP foi aplaudido pela plateia, composta por cerca de 300 pessoas, quando referiu que os votos que os trabalhadores e o povo confiaram ao PCP e à CDU vão ser “uma força que vai contar para fazer avançar as condições de vida e o desenvolvimento do país”.

“Os últimos quatro anos que corresponderam ao que se designou de nova fase da vida política nacional não foram um tempo percorrido em vão”, observou, relembrando que, nesse período, com a intervenção do PCP se abriu “um caminho de defesa, reposição e conquista de direitos que alguns julgavam impossível”.

O Encontro Regional de Quadros do PCP no Porto decorre de uma iniciativa do Comité Central, para que se promovam, no pós-ciclo eleitoral, “espaços de análise e de debate sobre a situação atual e sobre o trabalho e a intervenção do partido para o futuro”, explicou Jerónimo de Sousa.

Ler mais
Recomendadas

Greta Thunberg vai ao parlamento português entre final do mês e início de dezembro

Há uma semana, os deputados da comissão parlamentar de Ambiente aprovaram, por unanimidade, a proposta para a vinda da ativista sueca a Portugal.

CDS quer Ordem da Liberdade para quem participou no 25 de Novembro de 1975

O deputado centrista Telmo Correia propôs que o Governo “faça um levantamento das personalidades envolvidas no 25 de Novembro e que não tenham recebido a Ordem da Liberdade”, para que essa distinção lhes seja atribuída, sejam militares ou civis, “em vida ou até a título póstumo”.

Comissão de Transparência. PAN apresenta proposta contra limites ao escrutínio público

Em causa está a decisão do presidente da comissão, Jorge Lacão, de fazer reuniões à porta fechada e sem acesso à comunicação social, alegando que há elementos que vão estar em discussão que não devem ser do conhecimento público.
Comentários