Jerónimo de Sousa diz que PRR é insuficiente para problemas de habitação que o país tem

O secretário-geral do PCP defendeu hoje que o que está previsto para a habitação no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) é insuficiente para responder a este flagelo, enquanto o Governo está a “sacudir a água do capote”.

Jerónimo de Sousa, durante o comício de encerramento da 44ª edição da Festa do Avante, que decorreu na Quinta da Atalaia, Amora, Seixal | António Cotrim/Lusa

O primeiro ataque do dia tinha sido dedicado ao que Jerónimo de Sousa considerou ser a complacência do Governo com os grandes grupos económicos. Agora esteve a habitação ‘na mira’ e, mais uma vez, a “bazuca europeia”.

“A habitação é um problema sério a requerer investimento do Estado e a intervenção das autarquias”, advogou, enquanto discursava durante uma iniciativa autárquica da CDU na antiga freguesia da Pontinha, em Odivelas, distrito de Lisboa.

Contudo, na opinião do dirigente comunista, este problema está a ser utilizado “demagogicamente como trunfo eleitoral pelo PS e o seu Governo, prometendo mundos e fundos em nome de um PRR que para a habitação não tem, e o Governo sabe que não tem, os montantes financeiros para corresponder por inteiro à dimensão da carência”.

A postura do Governo para com as autarquias, acrescentou, também é censurável, já que o executivo socialista critica, mas deixa os municípios de mãos atadas.

“É escusado o Governo andar por aí a acusar gratuitamente as autarquias de não aplicarem as verbas do PRR dirigidas à habitação, quando ainda nem definiu as verbas disponíveis para a estratégias locais de habitação, já aprovadas, nem sequer o dinheiro está disponível para ser aplicado”, sustentou.

Por isso, “pede-se mais seriedade” aos socialistas que, enquanto “agitam as responsabilidades de outros para sacudir a água do capote, a verdade é que o dinheiro que há e podia ser gasto está inscrito no Orçamento do Estado em vigor”.

Jerónimo de Sousa acrescentou que há 100 milhões de euros do programa “Primeiro Direito” que “continuam por gastar quase na sua totalidade”.

A segunda ação da campanha autárquica da CDU, a exatamente uma semana das eleições, decorreu no concelho de Odivelas, um dos mais recentes do país – apenas foi elevado a esta condição em 1998 – e onde a CDU tinha quatro vereadores, mas está agora com metade.

Recomendadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.
Comentários