Jerónimo Martins apresenta queixa em Bruxelas por causa de taxa de segurança alimentar

A Direção-Geral da Alimentação e Veterinária reclama cerca de 20 milhões de euros ao grupo proprietário da cadeia de supermercados Pingo Doce

Cristina Bernardo

O grupo Jerónimo Martins apresentou no passado mês de junho uma reclamação à Comissão Europeia por causa da Taxa de Segurança Alimentar Mais (TSAM), revela o “Público” na edição desta quinta-feira.  A multinacional proprietária da cadeia de supermercados Pingo Doce confirmou ao jornal a informação avançada no seu último relatório e contas, adiantando ainda que a queixa está “pendente”.

A empresa liderada por Pedro Soares dos Santos considera que a TSAM – criada pelo Governo PSD/CDS-PP em 2012 para financiar parcialmente o Fundo Sanitário e de Segurança Alimentar Mais – constitui “um auxílio ilegal do Estado”.

Neste momento, o valor da taxa em causa é de sete euros por metro quadrado de área de venda da loja. No caso da Jerónimo Martins, a Direção-Geral da Alimentação e Veterinária solicitou 18,78 milhões de euros (Pingo Doce), 1,88 milhões de euros (Recheio) e 41 mil euros (Hussel), correspondente ao período dentre 2012 a 2019.

“As referidas liquidações foram impugnadas judicialmente, por entender-se que as mesmas são indevidas, uma vez que, além do mais, o diploma legal que criou a TSAM se encontra ferido de inconstitucionalidade”, aponta a Jerónimo Martins, no mesmo documento.

Recomendadas

Jerónimo Martins vale mais de 30 vezes em bolsa ao fim de 30 anos

Nestes últimos 30 anos, a Jerónimo Martins passou de vendas de 658,4 milhões de euros em 1989, a valores constantes, para uma previsão de 18.463,9 milhões de euros no presente exercício, um crescimento de 28 vezes.

El Corte Inglés vai voltar a refinanciar dívida superior a 3 mil milhões de euros

A cadeia espanhola, que quer tirar proveito das baixas taxas de juros, começará o refinanciamento dos seus passivos assim que a venda da informática estiver concluída.

Intermarché investe seis milhões em nova marca própria em Portugal

De acordo com esta cadeia de distribuição, até ao fim de 2019 serão mil o número de referências alteradas para a nova marca, sendo que subirão para dois mil em 2020 e três mil no ano seguinte.
Comentários