Jerónimo Martins, EDP e Galp distinguidas como empresas mais sustentáveis da Europa

A Galp, a EDP e a Jerónimo Martins são as únicas empresas portuguesas a integrar no índice Euronext Vigeo-Eiris Europe 120. A nível mundial, a EDP é a única empresa portuguesa a ser distinguida.

Foi divulgada a lista do Euronext Vigeo-Eiris Europe 120 2018, um ranking que reconhece as 120 empresas da Europa que melhor promovem práticas de sustentabilidade. A representar Portugal neste índice figuram as energéticas EDP – Energias de Portugal e Galp Energia e, a juntar-se pela primeira vez ao catálogo, o grupo Jerónimo Martins, a única organização do setor de retalho. No índice Euronext Vigeo World 120, a lista que distinge 120 empresas a nível mundial, apenas a liderada por António Mexia está representada.

Estas distinções são feitas com base na análise do desempenho das empresas em 2017 e que abrange mais de 300 indicadores em tópicos tão diversos como Direitos Humanos, Recursos Humanos, Envolvimento com a Comunidade, Corporate Governance, Ambiente e Conduta Empresarial.

O grupo retalhista nacional, presidido por Pedro Manuel de Castro Soares dos Santos, é o único a representar Portugal neste setor, o que ocorre depois de se ter comprometido a realizar vários compromissos no sentido de reduzir a pegada carbónica em 5% entre 2018 e 2020, a diminuir o desperdício alimentar do grupo em 10% no mesmo período, face a 2016 e a alcançar um decréscimo para metade até 2025.

No conjunto dos dois índices Euronext Vigeo-Eiris em que está incluído – “Eurozone 120” e “Europe 120” -, o grupo Jerónimo Martins encontra-se agora na categoria de “Advanced“, o nível de desempenho mais elevado, e com uma avaliação de 94% quanto à divulgação de informação de sustentabilidade, o que representa um aumento de 20 pontos percentuais face a 2016.

Relacionadas

O que é um investimento sustentável? Reguladores devem ser flexíveis na avaliação dos critérios, defende investigador

Em entrevista ao Jornal Económico, Dirk Schoenmaker, investigador sénior do ‘think-tank’ Bruegel, defende a necessidade dos supervisores clarificarem a importância dos investimentos sustentáveis. Destaca ainda assim o papel “ativo” da Comissão Europeia e do regulador em Portugal.

Dia mais quente do século, plásticos e poluição no Tejo. Ambientalistas fazem balanço de 2018

Quais foram os momentos ambientais marcaram negativamente o ano de 2018? O que podemos recordar e celebrar? O que nos espera em 2019 e quais são as novas metas? As associações Zero e Quercus divulgaram o seu calendário ‘verde’.

Podem os mercados promover a sustentabilidade?

Há todo um mercado que permite a investidores responsáveis não só diversificarem o seu portefólio, como incentivar as empresas a comportamentos mais “verdes”.
Recomendadas

Maior desafio do próximo século será reconciliar a biodiversidade com a economia, defende Comissão Europeia

Durante a terceira edição do Blue Bio Value, John Bell, um dos membros da Direção-Geral de Pesquisa e Inovação da Comissão Europeia considerou que o próximo passo da transição sustentável será reconciliar a biodiversidade com a economia. “Essa vai ser a tarefa mais desafiante do próximo século”, vincou.

Zero pede suspensão de novas centrais de biomassa

A associação pede que “qualquer intenção de instalação de novas centrais de biomassa seja de imediato suspensa”, defendendo que primeiro tem que se avaliado de forma séria “qual o potencial de biomassa florestal residual existente” e o que é que é atualmente utilizado por diferentes setores da indústria.

“Descartável voltou a invadir as nossas vidas”, lamenta ministro do Ambiente

“O descartável voltou a invadir as nossas vidas”, apontou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, que participava, esta tarde, num debate no âmbito do Visão Fest Verde, juntamente com o deputado do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza e o advogado e antigo secretário de Estado do Ambiente José Eduardo Martins.
Comentários