Joana Marques Vidal: “Corrupção põe em causa Estado de direito democrático”

A luta contra a corrupção na perspetiva da criminalidade económica e financeira não diz unicamente respeito aos tribunais, defendeu a ex-Procuradora-Geral da República. Assista aqui à transmissão do debate na SEDES cujo tema foi “A corrupção e autonomia do Ministério Público”.

A luta contra a corrupção na perspetiva da criminalidade económica e financeira não diz unicamente respeito aos tribunais, defendeu a ex-Procuradora-Geral da República Joana Marques Vidal, no ciclo de debates “Ao fim de tarde na SEDES com quem sabe,” do qual o Jornal Económico é media partner, e que se realizou esta terça-feira, 2 de julho, em Lisboa, nas instalações da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social. Neste  evento, Joana Marques Vidal dedicou a sua intervenção ao tema “A corrupção e autonomia do Ministério Público” num debate conduzido pelo jornalista Luís Rosa.

Relacionadas

Joana Marques Vidal quer estratégia nacional contra a corrupcão

Ex-procuradora-geral da República, que foi à SEDES falar sobre autonomia do Ministério Público, salientou que a corrupção “põe em causa a confiança dos cidadãos nas suas estruturas políticas e por isso põe em causa em democracia”.

Ministra da Justiça: “As instituições da justiça na área criminal funcionam”

Francisca Van Dunem nega interferência do poder político no poder judicial.

Ex-procuradora-geral da República diz que “juízes têm que estar bem assessorados”

Joana Marques Vidal referiu-se a resistências dos juizes em contar com ajuda de especialistas e aos tribunais em que é sempre a mesma pessoa a julgar.
Recomendadas

Porco, queijos e fruta portuguesa na ‘mira’ de Trump. Estes são os produtos que vão ser penalizados

A Organização Mundial de Comércio (OMC) autorizou em definitivo que Washington imponha sanções aduaneiras contra a União Europeia, em resposta aos subsídios concedidos ao construtor aeronáutico europeu Airbus pelos governos europeus. Estes são os produtos portugueses que vão ser penalizados por Trump.

“O IPDJ é cúmplice na violação de sentenças judiciais”

Em entrevista ao programa ‘Jogo Económico’, o presidente do CF “Os Belenenses” criticou o Estado, mais concretamente o Instituto Português do Desporto e da Juventude, por ser “cúmplice na violação” de sentenças judiciais, no que diz respeito à SAD.

“Nem tudo são rosas”. Qual o impacto negativo de uma quebra nas taxas de juro?

Os bancos têm várias formas de captar o seu rendimento e se não conseguem fazê-lo ao nível dos créditos, vão aumentar comissões. “Nem tudo são rosas”, alerta João Morais Barbosa, administrador do Grupo Reorganiza.
Comentários