João Bento, CEO dos CTT: “É-me indiferente a estrutura de capital da empresa”

Naquela que foi a sua primeira intervenção pública após substituir Francisco Lacerda, o novo rosto da gestão dos CTT revelou que ainda este ano haverá lugar para a reabertura de lojas CTT, sendo que os planos serão anunciados “nas próximas semanas”. João Bento foi falou sobre a possibilidade de o Estado voltar a ter uma participação nos CTT.

João Bento, CEO dos CTT

O recém-nomeado presidente-executivo dos CTT afirmou esta quarta-feira que não está preocupado quanto à estrutura do capital acionista da operadora postal, aquando da audição do conselho de administração da empresa na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, a propósito da petição (n.º 611/XIII/4.ª) que solicita ao Estado que volte a ter uma participação qualificada no capital social dos CTT.

“É-me indiferente a estrutura de capital que está na empresa”, começou por dizer João Bento, para quem, enquanto gestor dos CTT, “é ao Parlamento que cabe tomar essa decisão” sobre a possibilidade de o Estado voltar a ter uma participação qualificada e o consequente controlo da empresa privatizada em 2014. “Quanto a isso tenho grande tranquilidade”, rematou sobre a petição que pede “o desenvolvimento das diligências necessárias ao imprescindível e urgente processo de participação qualificada do Estado Português no capital social dos CTT – Correios de Portugal”.

Independentemente do futuro dos CTT, João Bento defendeu que, “opiniões pessoais à parte”, caberá a si e ao conselho de administração gerir as operações e responder aos compromissos e contratos assumidos pelos Correios.

O homem que sucedeu a Francisco Lacerda foi parco em palavras na sua intervenção inicial mas, ainda assim, puxou dos galões dos CTT e mencionou tratar-se do “terceiro maior empregador do país”.

Quanto às criticas e à polémica política espoletada no final de 2018 e aprofundada nos primeiros seis meses do ano, João Bento foi perentório: “Precisamos de reinventar o nosso negócio. Os operadores postais do futuro não serão os mesmos”.

O novo homem-forte da sociedade que detém a participação maioritária dos CTT, a Gestmin, acredita que “o negócio postal está a cair”, contudo, não se extinguirá. Daí que João bento tenha sublinhado a necessidade de transformar a forma de operar da operadora postal, que detém a concessão dos serviço postal universal.

“A qualidade do sistema postal universal é o elemento mais importante de sustentabilidade do próprio serviço”, assegurou João Bento.

No Parlamento, após a primeira interpelação dos deputados, o CEO dos CTT revelou que ainda este ano haverá lugar para a reabertura de lojas CTT, sendo que os planos de reactividade desses espaços serão anunciados “nas próximas semanas”.

A questão em torno dos CTT subsiste, sobretudo, porque se trata de uma empresa privada que detém o contrato público de concessão do serviço postal universal. Em causa – segundo interpretação de João bento -, está o facto de os CTT – hoje uma empresa privada – ter de cumprir um contrato de serviço público, que deve responder positivamente a diversos indicadores de qualidade no serviço prestado, ou se os CTT devem ser uma empresa cujo controlo é público, ou seja, do Estado.

Anacom: “Não tem sido fácil”
A 5 de abril, precisamente sete dias antes de João Bento ser ouvido pelos deputados, o presidente da Anacom, João Cadete de Matos, esteve no Parlamento para responder à petição que pede ao Estado que volte a ter uma participação qualificada nos CTT, defendendo  ser “desejável” que contrato de concessão dos CTT permitisse à Anacom ser mais eficaz na sua intervenção.

“Era desejável que o contrato de concessão (do serviço postal universal) tivesse acautelado dimensões que permitissem ao regulador ter uma intervenção mais eficaz”, assim falou João Cadete de Matos, na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

O responsável máximo do regulador das comunicações considerou que, no que toca ao contrato de concessão dos CTT, a sua intervenção “não tem sido fácil”. Cadete de Matos realçou ainda que a Anacom detetou “muitas insuficiências” na forma como a medição dos indicadores de qualidade postal estava a ser realizada, tendo criticado a opção dos CTT de impugnar a deliberação do regulador.

“Uma empresa com a história dos CTT tem que assegurar confiança na informação que presta. E a preocupação aumentou porque os CTT iniciaram uma ação de impugnação administrativa dessas alterações das regras de medição. Sendo óbvio o que é o seu direito, esta decisão de fazer uma medição rigorosa e isenta não pode ser de modo nenhum contestada” acrescentou.

PCP leva Correios ao Parlamento
Esta quarta-feira, o PCP apresentou no Parlamento um projeto de lei (Projeto de Lei n.º 1227/XIII/4.ª) que aponta no sentido da reversão da privatização e de recuperação do controlo público da empresa CTT – Correios de Portugal, S.A, onde o grupo parlamentar comunista apontou o dedo à governação PSD/CDS por ter concretizado uma “vergonhosa e criminosa privatização” da operadora postal e relembrou, na exposição dos motivos desta proposta, a resposta de Bruxelas à questão do eurodeputado comunista Miguel Viegas.

A comissária europeia disse, em abril, que “não há nenhum impedimento a que o Estado retome o controlo dos CTT”.

Ainda que seja muito improvável que a questão dos CTT fique resolvida antes do fim da atual legislatura, cuja gestão em 2018 e início de 2019 de Francisco Lacerda espoletou diversas criticas relançando o debate político sobre a importância da operadora postal e levando substituição de Lacerda por João Bento, os deputados vão voltar a debater os CTT na Assembleia da República. No início de 2018, o Parlamento rejeitou diplomas que propunham a recuperação do controlo público dos CTT (PCP e PEV) e a rescisão do contrato de concessão (BE). Já este ano, a questão voltou a estar na agenda pública pela mão da esquerda e com alguns sectores do PS a considerarem que a administração da empresa estava a ser “gulosa e selvagem”.

Mas caso o projeto de lei assinado pelos 13 deputados do PCP seja aprovado, “o Governo fica obrigado a concretizar a recuperação do controlo público dos CTT no prazo máximo de 180 dias após a entrada em vigor” da lei. Com a aprovação ficaria prevista ainda a criação de uma unidade de missão, a funcionar junto do Governo e dotada de recursos humanos e técnicos, “com a responsabilidade de identificar os procedimentos legislativos, administrativos ou outros que se revelem necessários ao cumprimento das disposições” do diploma. A unidade de missão deverá, nesse caso, iniciar o exercício de funções no prazo de 30 dias após a entrada em vigor da lei.

Ler mais
Relacionadas

Trabalhadores dos CTT em greve geral a 5 de julho

Em declarações à Agência Lusa, Victor Narciso considerou que a situação que vivem atualmente os trabalhadores dos CTT é “muito grave” e, por isso, o sindicato decidiu avançar com a realização de uma greve geral como medida de protesto.

Galp e CTT afundam PSI 20 em linha com a Europa

O PSI20 encerrou a sessão desta quarta-feira a cair 0,54%, para 5.179,13 pontos. ‘Sinal vermelho’ estendeu-se às principais praças europeias.
Recomendadas

Jerónimo Martins apresenta queixa em Bruxelas por causa de taxa de segurança alimentar

A Direção-Geral da Alimentação e Veterinária reclama cerca de 20 milhões de euros ao grupo proprietário da cadeia de supermercados Pingo Doce

Fim da marca Jumbo. Grupo Auchan vai ter marca única de distribuição em Portugal

Pedro Cid, CEO da empresa retalhista francesa, assegura que esta mudança estratégica não se relaciona com a entrada da Mercadona em Portugal.

Grupo DPD Portugal vai investir 25 milhões de euros em novo centro logístico em Lisboa

O novo centro de distribuição do grupo francês vai estar operacional a partir de 2021.
Comentários