PremiumJoão Cotrim de Figueiredo: “Pedro Siza Vieira não tem peso político para levar a sua avante”

Candidato único à sucessão de Carlos Guimarães Pinto promete lançar “ataques preemptivos” contra “medidas estatizantes” do Governo e centrar debate parlamentar na luta entre socialismo e liberalismo.

Dois meses após ser eleito para a Assembleia da República, João Cotrim de Figueiredo encabeça a única lista para a comissão executiva do Iniciativa Liberal que irá a votos na convenção do partido que decorre neste domingo, em Pombal. O desafio da liderança está a ser abraçado “com enorme entusiasmo” pelo empresário e gestor de 58 anos, ex-presidente do Turismo de Portugal.

Se lhe disserem que é o mais discreto dos três deputados únicos eleitos a 6 de outubro encara como crítica ou elogio?
Nem uma coisa nem outra. Encaro com naturalidade, pois o Iniciativa Liberal (IL) é dos três claramente o partido mais ideológico. Estou ciente do que se exige de mim, mas não me vou pôr à frente de qualquer movimento mediático só para ganhar protagonismo sem conteúdo ideológico por detrás. Serei sempre porta-voz de uma ideia. Nesse sentido, acho normal que o partido mais ideológico tenha mais discrição.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEstudante da UA integra liderança de organização mundial

Carlos Pinto foca a sua investigação na tecnologia de alta pressão, que permite a pasteurização de alimentos a frio.

PremiumDespenalizar não é querer, é respeitar

Despenalizar a eutanásia, e o suicídio assistido, não significa ser a favor da eutanásia. Mesmo nas circunstâncias restritas que vão ser discutidas e eventualmente aprovadas dia 20, o Estado não será a favor da eutanásia. Dizer o contrário é tão falso como, permita-se o paralelo, dizer que o Estado é a favor da interrupção voluntária da gravidez porque a despenalizou.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários