João Ferreira critica “política de favor ao promotor imobiliário” em Lisboa

Na apresentação formal da candidatura do PCP à presidência da Câmara de Lisboa, João Ferreira afirmou que “nas últimas duas décadas, Lisboa passou a ser a cada momento aquilo que o especulador queira fazer dela”.

João Ferreira

João Ferreira, candidato à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, criticou o que classifica como política de favorecimento aos promotores imobiliários e especulação imobiliária, que argumenta ser “lesiva do interesse público”.

“Há uma deliberada política de favor ao promotor imobiliário. Uma política que é lesiva do interesse público”, afirmou o ex-eurodeputado, em declarações transmitidas pela RTP3, esta segunda-feira na apresentação formal da candidatura do PCP à presidência da Câmara de Lisboa.

Para João Ferreira, “nas últimas duas décadas, Lisboa passou a ser a cada momento aquilo que o especulador queira fazer dela”, o que levou a que, no seu entender, “as necessidades da população foram relegadas para segundo plano”.

O comunista criticou o que apelidou de “via verde para o promotor imobiliário”, que diz contrastar “com a aversão à participação cívica”. “Os processos de participação pública reduzidos a meros formalismo burocráticos são vistos como a gestão municipal como uma chatice”, disse, considerando que o PS e o PSD “fogem quanto podem dos instrumentos de planeamento”.

“A especulação imobiliária expulsa cada vez mais gente da cidade”, vincou, defendendo que “a pandemia deixou a nu o vazio de ideias para uma base sólida de desenvolvimento da cidade” e argumentando que “os serviços municipais foram frequentemente geridos sem a devida planificação, de forma casuística, dissociada duma visão estratégica da cidade, sem envolver os trabalhadores”.

Recomendadas

Bloco de Esquerda propõe criminalização de terapias de reconversão sexual

O projeto do BE sugere que os autores da intervenção fiquem proibidos de exercer profissão, emprego, funções ou atividades, públicas ou privadas, durante um período que poderá durar até 20 anos.

Jovens estão sub-representados nos órgãos de decisão, alerta ministro da Educação

Brandão Rodrigues começou por apontar que, de manhã, os ministros tiveram oportunidade de dialogar com jovens – incluindo jovens da Alemanha, Portugal e Eslovénia (o atual trio de presidências da UE) e de França (a seguinte, no primeiro semestre de 2022) -, o que “foi importante” e constituiu “material de trabalho para a reunião da tarde”.

PAN processado por ex-assessora que quer reconhecimento do contrato de trabalho

Sara Martins trabalhou na Assembleia da República cerca de quatro anos em regime de prestação de serviços, durante a anterior legislatura, a emitir recibos verdes, enquanto assessora jurídica do então deputado único do PAN, André Silva.
Comentários