PremiumJoão Garcia: “O alpinismo é um desporto justo. Não ganha quem tem mais dinheiro”

Em 1999 tornou-se no primeiro português a conquistar o Monte Evereste, numa expedição em que sofreu lesões graves e perdeu um companheiro de escalada. Onze anos mais tarde, foi o décimo alpinista do mundo a cometer a proeza de escalar todas as 14 montanhas com mais de oito mil metros sem recorrer a auxílio de oxigénio artificial nem carregadores de altitude.

Apaixonado por alpinismo desde os 16 anos e praticante de escalada sem recurso a oxigénio artificial, foi o primeiro português a escalar o Monte Evereste e continua com o objetivo de ir mais além. Quando começou a sua dedicação à escalada?
Isto começou logo desde os meus 14 ou 15 anos, nos escuteiros. Tive iniciação às cordas, aos nós e às técnicas de descer na corda. Só que era tudo em cenário muito artificial e sempre tive a curiosidade de saber como é que aquilo funcionava nas grandes montanhas. E isso levou-me à Serra da Estrela, para conhecer o clube de montanhismo da Guarda. Fui de bicicleta e demorei quatro dias a chegar. E foi lá que comecei a escalar. No ano seguinte fui aos Alpes franceses subir o Monte Branco e fiquei fascinado.

Quem é que o influenciou nesta primeira aventura pela escalada?
Lá em casa ninguém praticava desportos outdoor. Ou foram revistas da “National Geographic” ou então alguma influência do ideal escutista. Mas acima de tudo foi uma sucessão de felizes coincidências. Subir ao Monte Branco foi uma experiência fantástica e percebi que o alpinismo é, de facto, um desporto justo. Só atinge o topo quem se esforça. E eu tinha-me esforçado muitíssimo, desde convencer os meus pais a deixarem-me ir, porque tinha 17 anos e era menor de idade. Quando descemos do Monte Branco, que é uma montanha com neves eternas, de 4.800 metros de altitude, percebi que tinha deixado de ser um miúdo. Depois nunca mais parei. Temos de nos superar a nós próprios, ir à procura de outras montanhas, desafios e altitudes.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

“O Melhor de Portugal”: Como João Garcia chegou ao topo das montanhas mais altas do mundo

O alpinista português João Garcia faz parte de um restrito lote de escaladores que subiram às 14 montanhas com mais de oito mil metros de altitude.
Recomendadas

‘Champions’ em Lisboa. RB Leipzig: treinador mais jovem da Liga dos Campeões ‘dá asas’ à marca de 594 milhões

Desde a sua fundação, o clube viu-se envolvido em várias polémicas, tudo devido à sua ligação direta à Red Bull. A empresa de bebidas energéticas é a dona do clube, algo que não foi bem aceite na Alemanha onde tradicionalmente os sócios têm o poder de participar nas decisões dos clubes, devido à famosa regra ‘50+1’.

Turismo de Portugal lança campanha internacional para saudar ‘Champions League’

Esta campanha, designada ‘Portugal. Champios Everywhere’, abrange todo o período da competição, até 23 de agosto, nos meios digitais e redes sociais, representando um investimento de cerca de 150 mil euros”.

Dos 549 milhões para o PIB aos 150 milhões em impostos. Quanto pesa a indústria do futebol em Portugal? Veja o “Jogo Económico”

A nova edição do Anuário do Futebol Profissional Português, uma parceria entre a Liga Portugal e a EY, regista o contributo total desta indústria para o PIB português, as receitas geradas pelas 32 SAD e os impostos arrecadados pelo Estado português a partir do futebol.
Comentários