João Pereira Coutinho já detém 95,3% da SAG

Esta imputação resulta de 10,24% da SGC Investimentos; de 69,13% da IAMC – Investment and Assets Management Consulting; diretamente de através de 14,95%; e 0,71% através da Principal.

A SAG GEST – Soluções Automóvel Globais, SGPS, comunicou ao mercado que são imputáveis a João Manuel de Quevedo Pereira Coutinho, 95,30% dos seus direitos de voto.

Esta imputação resulta de 10,24% da SGC Investimentos; de 69,13% da IAMC – Investment and Assets Management Consulting; diretamente de através de 14,95%; e 0,71% através da Principal.

Foi assim ultrapassado o limite de 90% dos direitos de voto correspondentes ao capital social na Sociedade Visada da OPA (a SAG).

O oferente “firmou inequivocamente, no Prospeto e no Anúncio de Lançamento, que era sua intenção, após o Termo da Oferta, promover a perda da qualidade de sociedade aberta da Sociedade Visada, mais informou que, nesta mesma data, deu entrada na CMVM o correspondente requerimento”.

A empresa deverá ser retirada de bolsa. O empresário tinha lançado uma OPA com a contrapartida de 0,0615 euros por ação e com a condição de obter 90% do capital da sociedade.

João Pereira Coutinho já entregou na CMVM o pedido de perda da qualidade de sociedade aberta da empresa do setor automóvel, revela um comunicado enviado ao regulador nesta quarta-feira.

“Tendo o Oferente afirmado inequivocamente, no Prospeto e no Anúncio de Lançamento, que era sua intenção, após o Termo da Oferta, promover a perda da qualidade de sociedade aberta da Sociedade Visada, mais informou que, nesta mesma data, deu entrada na CMVM o correspondente requerimento”, dá conta o comunicado.

A OPA de João Pereira Coutinho à SAG foi anunciada no passado dia 30 de abril no âmbito da venda da SIVA (que comercializa as marcas Volkswagen, Audi e Skoda em Portugal) à Porsche Holdings (sociedade pertencente ao Grupo VW), pelo montante simbólico de um euro, um processo que deverá estar concluído até 30 de setembro deste ano e que pressupõe a saída da SAG do setor automóvel.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários