Jogo Económico: SL Benfica entre os clubes que melhor vendem na Europa

João Félix catapultou o SL Benfica como um dos clubes que mais venderam na última janela transferência. Porque é que os ‘encarnados’ vendem os seus jogadores por valores mais avultados que os outros clubes? Veja o debate neste ‘Jogo Económico’.

O Sport Lisboa e Benfica foi o quarto clube da Europa que mais faturou no último mercado de transferências encaixando um total de 188 milhões de euros. Os dados foram apresentados através do estudo do Observatório do Futebol da Universidade Europeia e vão estar em debate esta sexta-feira no ‘Jogo Económico’ com a presença de Luís Vilar, vice dean da Universidade Europeia e responsável do Observatório do Futebol.

O advogado e consultor Luís Miguel Henrique e o jornalista João Marcelino irão comentar este dados.

Esta verba foi alcançada com as vendas de seis jogadores: João Félix para o Atlético de Madrid, do mexicano Raúl Jiménez, para o Wolverhampton, do extremo André Carrillo, para o Al-Hilal, de Eduardo Sálvio, para os argentinos do Boca Juniors, de Luka Jovic, e de Pawel Dawidowicz para o Hellas Verona de Itália, de acordo com oo site Transfermarkt.

A equipa portuguesa ficou apenas atrás do Atlético de Madrid, que foi o clube que mais faturou no mercado, com receitas de 308 milhões de euros relativas a cinco transferências, sendo também o clube com o valor médio por venda mais elevado. Na segunda posição surge a Juventus, com receitas de 196 milhões de euros, derivadas de nove transferências e o Ajax que encaixou 192 milhões de euros com quatro transferências.

Tempo ainda para olhar para os incidentes na última Assembleia-Geral do SL Benfica e como se pode explicar esta contestação a Luís Filipe Vieira num momento de estabilidade económica e financeira.

Recomendadas

“China? Não se sabe quando é que as fábricas voltam à produção a 100%”

Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees, esteve na última edição do ‘Mercados em Ação’, vê paralelo na forma como os mercados reagem ao coronavírus tal como aconteceu com a crise do SARS. “Não sabemos quantas fábricas estão afetadas”, realça Nuno Sousa Pereira.

“Aumento salarial? Menos de 2,7% é inaceitável”, avisa secretário-geral da UGT

Sobre o acordo de concertação social, Carlos Silva diz nesta entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios que a UGT não abdica, nem cede, na existência do patamar mínimo de 2,7% de aumento salarial. Sendo que, se a UGT não estiver disponível para fazer acordos, dificilmente haverá um acordo de concertação social.

“Patrões conseguiram o que queriam no OE, vamos negociar o quê?”, lamenta secretário-geral da UGT

Se os patrões não cederem em matérias como salários, férias e contratação coletiva, a UGT vai defender a revisão do Código de Trabalho e “deixar cair a caducidade e introduzir o princípio do tratamento mais favorável”, referiu Carlos Silva, secretário-geral da UGT, em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios.
Comentários