Jornal Económico adopta semana de trabalho de quatro dias para enfrentar crise causada pela pandemia

Decisão permite assegurar manutenção de todos os postos de trabalho e garantir a qualidade editorial do jornal enquanto durar a crise da Covid-19, que já terá levado a uma queda de cerca de 50% nas receitas publicitárias da imprensa.

O Jornal Económico vai adoptar a semana de trabalho de quatro dias, por via de uma redução do horário de trabalho, de maneira a diminuir os custos operacionais, numa altura em que o investimento publicitário cai a pique devido aos efeitos económicos da pandemia de Covid-19.

Os vários departamentos do Jornal Económico continuarão a funcionar normalmente, através de um sistema de rotação que permite não só manter a atividade durante toda a semana como também assegurar a qualidade editorial do JE.

A decisão de recorrer ao lay-off simplificado previsto nas medidas de apoio às empresas afetadas pela crise da Covid-19, através da redução do horário de trabalho, foi hoje comunicada pela Administração da Megafin S.A., a empresa proprietária do Jornal Económico. Esta medida permitirá assegurar a qualidade editorial e a manutenção dos postos de trabalho dos cerca de 40 profissionais do JE, durante o momento extremamente difícil que se avizinha na economia portuguesa.

As medidas hoje anunciadas permitirão manter a sustentabilidade do Jornal Económico e, logo, a sua independência. O que será fundamental para que o Jornal Económico possa continuar a procurar servir os seus leitores, parceiros e anunciantes com jornalismo independente, isento e de qualidade.

Segundo foi noticiado, o investimento publicitário caiu cerca de 50% desde o início da pandemia, colocando uma enorme pressão sobre o setor da comunicação social e levando a que a maioria dos órgãos esteja a recorrer a medidas de redução de custos.

Até ao momento, o Governo não avançou quaisquer medidas de apoio ao setor dos media, apesar dos pedidos nesse sentido por parte das associações representativas dos órgãos de comunicação social portugueses.

Ler mais

Relacionadas

Mais de 33 mil empresas candidataram-se ao lay-off simplificado até esta segunda-feira

Os números revelados pela ministra do Trabalho e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, representam um aumento de mil empresas que se candidataram a este regime face ao início de sábado.

Diretores de jornais e revistas lançam apelo: diga não à pirataria

Numa iniciativa inédita, os diretores dos principais jornais e revistas de Portugal juntaram-se num apelo conjunto aos leitores para que digam não à pirataria. O jornalismo de qualidade só será viável se tiver o apoio dos seus leitores.

Edição semanal e site do Jornal Económico atingem recordes de audiência em março

Em março, o site do Jornal Económico registou um total de 11 milhões de visitas, quase três vezes mais que em fevereiro. Já o número de utilizadores únicos aumentou 158%, para cinco milhões. Por sua vez, a versão digital da edição semanal conta com 20 mil leitores por semana. O JE agradece a preferência e a confiança dos seus leitores, parceiros e anunciantes.

Publicidade deverá cair entre 40% a 50% nos media tradicionais

TV e imprensa serão os meios que mais vão sofrer com a crise económica causada pela pandemia. Grupos de media pedem apoios ao Governo, mas até agora em vão.
Recomendadas

Retoma da economia traz novos desafios ao país

Endividamento e tesouraria das empresas portuguesas encontram-se entre as principais fragilidades apontadas pelos analistas. Apesar da quebra provocada pela pandemia de Covid-19, o setor do turismo pode surpreender.

Respostas rápidas: Como vai funcionar o novo Instrumento de Apoio à Solvabilidade europeu

O novo instrumento temporário proposto pela Comissão Europeia é dirigido a empresas “economicamente viáveis”, mas que enfrentam problemas de solvabilidade provocados pela crise da Covid-19. Quer desbloquear 300 mil milhões de euros para empresas situadas na União Europeia e um dos critérios de acesso é que com base nas contas de 2019 não apresentassem já necessidades de auxílios.

“Salvar as empresas e preservar o emprego”. Conheça as prioridades de António Costa Silva para recuperar a economia

O gestor, atualmente presidente da Partex, a quem o Primeiro Ministro pediu o plano de recuperação diz que tem de se evitar que a economia “entre em estado de coma”. António Costa Silva diz que o Estado vai ter de ser interventivo e que o novo modelo económico tem de estar assente no investimento nas infraestruturas (físicas e digitiais) e na reconversão industrial.
Comentários