José Manuel Bolieiro disponível para ser presidente do governo regional dos Açores

Líder regional do PSD sublinhou que resultados eleitorais de uma “noite histórica” abrem um novo quadro em que a “determinação unilateral de qualquer partido” deixa de ser suficiente para definir uma solução governativa para os Açores.

José Manuel Bolieiro

O líder do PSD-Açores, José Manuel Bolieiro, admitiu que poderá estar disponível para assumir a presidência do governo regional dos Açores desde que seja essa a vontade da assembleia legislativa regional dos Açores, na qual o PS do atual presidente Vasco Cordeiro deixou de ter maioria absoluta e onde é matematicamente possível (mas politicamente muito complicada) atingir a fasquia dos 29 deputados juntando também o CDS-PP, Chega, PPM e Iniciativa Liberal.

“O quadro é tão ambivalente que pode admitir tudo”, disse o líder dos sociais-democratas açorianos, quando lhe perguntaram se tinha pela frente a missão de ser o líder da oposição ou o presidente do governo regional, salientando que “hoje é o parlamento que determina a formação do governo” e mostrando-se disponível para encetar “diálogo em que estiver por bem” e queira desenvolver a autonomia e os Açores.

Apesar disso, Bolieiro iniciou a sua intervenção, no final de uma “noite histórica” que trouxe uma “mudança histórica” à assembleia legislativa regional, pois os resultados não permitem qualquer “determinação unilateral de qualquer partido”, com palavras de reconhecimento para a vitória do PS, recordando que foi esse o vencedor das eleições regionais.

No entanto, também disse que a redução da diferença percentual entre os dois partidos para pouco mais de cinco pontos percentuais, trouxe uma “nova legitimidade e responsabilidade para o PSD”, que se terá de empenhar para “garantir estabilidade governativa”.

Recomendadas

António Costa: “não há plano B” para bloqueio no orçamento da União Europeia

O primeiro-ministro português, António Costa, disse hoje não existir um plano B ao bloqueio na aprovação do orçamento da União Europeia (UE) e do novo Fundo de Recuperação, instando ao fim do braço de ferro da Hungria e Polónia.

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE, diz António Costa

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a Covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

António Costa: “ninguém tem legitimidade” para questionar o compromisso de Portugal com os valores da União Europeia

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje, em Bruxelas, que “ninguém tem legitimidade” para questionar o compromisso “inequívoco” de Portugal com os valores da União Europeia, quando confrontado com uma alegada oposição a um mecanismo sobre o Estado de direito.
Comentários