José Manuel Coelho solidário com Celestino Neves critica a justiça

O dirigente do PTP Madeira, e deputado com o mandato suspenso, José Manuel Coelho manifestou a solidariedade para com o membro da Assembleia Municipal de Valongo, Celestino Neves, condenado esta semana por um tribunal local.

Foto de arquivo

Neves foi condenado a uma multa de 1.820 euros por difamar o presidente da Câmara de Valongo e a pagar indemnizações de 8.000 euros ao visado e 10.000 ao município. José Manuel Coelho considera que Celestino Neves “é mais uma vítima da justiça corrupta do país que protege os grandes negócios”.

“Celestino Neves, deputado na Assembleia Municipal de Valongo atreveu-se a criticar interesses imobiliários dos amigos do presidente da Câmara de Valongo que fez aprovar um novo Plano Diretor Municipal para o concelho, feito à medida dos interesses relacionados com a construção de uma plataforma logística de uma empresa privada do grupo Jerónimo Martins”, escreve Coelho no seu blog.

Depois de referir que “o cidadão em causa como acreditou no pai Natal e pensou que vivia num país democrático, começou a defender de alma e coração a população que o elegeu denunciando os “negócios” do autarca no seu Blog “A terra é o limite” mas acabou condenado pela justiça”.

“A sentença foi proferida por uma juizinha do sistema, discípula claro está, do intendente Manique de má memória. Celestino Neves com medo do agravar das consequências não se atreve a denunciar no blog o nome da senhora justiceira que o condenou. Vai apelar para o Tribunal da Relação. Vai confiar de novo no Pai Natal onde depois de gastar uma pipa de massa para se defender acabará por desembolsar ainda mais dinheiro e com piores consequências para a sua vida pessoal”, sublinha José Manuel Coelho.

O dirigente do PTP madeirense – recentemente condenado a uma insólita pena de prisão na sequência de um processo movido contra si pelo advogado Garcia Pereira por declarações proferidas por Coelho na campanha eleitoral das presidenciais de 2011 – estima que Celestino Neves averbará “uma pena ainda mais pesada por parte dos senhores juízes desembargadores, e além de ficar sem os seus bens, corre ainda o risco de ver o seu blogue pessoal apagado por ordem de um qualquer juiz fascista”.

Coelho diz que o referido blog, como está alojado em Portugal (no Sapo) “vai levar com o inevitável lápis azul como todos nós já sabemos”, responsabilizando por esta situação o Código Penal de 1982 “escrito no tempo do Salazar, em 1963”.

Recorda-se que o Tribunal de Valongo condenou Celestino Neves a retratar-se publicamente e a pedir desculpas na sua página pessoal do Facebook, no seu blogue “A Terra Como Limite” e em dois jornais, um de âmbito nacional e outro regional, das críticas feitas ao autarca José Manuel Ribeiro (PS) que o processou. Celestino Neves foi eleito na lista socialista nas autárquicas de 2013 mas acabou desvinculado do seu partido depois de ter levantado suspeitas no seu blogue sobre a câmara e o presidente quanto à alteração do Plano Diretor Municipal (PDM) para que fosse possível construir, em Alfena, uma plataforma logística de uma empresa privada. Neves foi um dos principais apoiantes da candidatura de José Manuel Ribeiro, mas em 2014 entrou em rutura com ele desvinculando-se do PS.

Ler mais
Recomendadas

Madeira: Confirmada morte de trabalhador soterrado

O incidente ocorreu cerca das 14:00 numa pedreira situada numa encosta sobranceira à Estrada da Fundoa, nos arredores da capital madeirense, tendo sido acionados vários meios de socorro.

Câmara do Funchal e Clube Naval assinam protocolo que privilegia turismo do mar

O protocolo prevê a cedência de um espaço no posto de turismo da CMF para a colocação de um monitor digital que vai disponibilizar informação  turística sobre a cidade, ao mesmo tempo que complementa as plataformas que o município já tem, como o Just in Time Tourist, o Turismo Acessível, e os mapas direcionados para o turismo jovem.

Madeira: Derrocada na Fundoa terá provocado um soterrado

As autoridades já estarão à procura de uma eventual vítima soterrada.
Comentários