José Sócrates recorda Jorge Coelho como “político com uma grande intuição”

 “Era um homem encantador, que fazia amigos facilmente e uma pessoa de uma extrema jovialidade de espírito”, destacou à agência Lusa José Sócrates.

O antigo primeiro-ministro José Sócrates lamentou hoje a “notícia trágica” da morte de Jorge Coelho, com quem integrou o Governo de António Guterres, recordando uma pessoa de “extrema jovialidade de espírito” e “um político com grande intuição”.

“Era um homem encantador, que fazia amigos facilmente e uma pessoa de uma extrema jovialidade de espírito”, destacou à agência Lusa José Sócrates.

Para o antigo primeiro-ministro, entre 2005 e 2011, Coelho era “um político com uma grande intuição, capaz de transformar o sentimento que ele intuía no povo em conceitos que podiam ser usados na retórica política”.

José Sócrates e Jorge Coelho integraram enquanto ministros os governos liderados por António Guterres, entre 1995 e 2002.

Sócrates, que confessou que falar de Jorge Coelho é uma ajuda para fazer “o luto da notícia trágica e sem aviso”, destacou também a importância do antigo ministro no Partido Socialista (PS).

“Era um homem muito popular no PS, porque a sua linguagem política era uma linguagem muito acessível e que refletia exatamente o sentimento das pessoas, os sentimentos mais profundos”, assinalou.

“Foi um belíssimo companheiro ao longo dos anos e recordo-o com saudade, como um bom amigo”, acrescentou.

José Sócrates salientou também a “carreira política bem sucedida” de Jorge Coelho.

“Um dos momentos mais importantes foi a participação que teve na caminhada que fizemos para transformar o PS no partido de Governo em 1995, quando ganhamos as eleições com António Guterres. Era uma espécie de número dois do partido”, frisou.

Para o antigo governante, Jorge Coelho era ainda “uma personagem muito respeitada em todos os setores sociais”.

“Tinha um leque muito variado de amigos em diferentes quadrantes da política e da vida portuguesa, que o transformava num homem muito requisitado nos círculos sociais”, concluiu.

Jorge Coelho, ministro dos governos liderados por António Guterres entre 1995 e 2002, morreu hoje, aos 66 anos, segundo fonte do PS, vítima de paragem cardíaca fulminante.

Jorge Coelho foi ministro de três pastas: ministro Adjunto; ministro da Administração Interna; ministro da Presidência e do Equipamento Social.

A partir de 1992, com Guterres na liderança, Jorge Coelho foi secretário nacional para a organização, contribuindo para a vitória eleitoral dos socialistas nas legislativas outubro de 1995.

Nascido em 17 de julho de 1954, em Mangualde, distrito de Viseu, Jorge Coelho era empresário, mas continuou sempre a acompanhar a atividade política, como comentador de programas como a Quadratura do Círculo, na SIC Notícias e TSF, mas também como cidadão.

Jorge Coelho marcou a atividade política ao demitir-se do cargo de ministro do Equipamento do executivo de António Guterres após a queda da ponte de Entre-os-Rios em 04 de março de 2001, alegando que “a culpa não pode morrer solteira”.

Ler mais
Recomendadas

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.

Novo Banco: José Eduardo dos Santos não respondeu a Cavaco Silva sobre BESA

O antigo presidente angolano José Eduardo dos Santos não respondeu a uma carta do antigo homólogo português, Aníbal Cavaco Silva, acerca da situação do BES Angola (BESA), segundo respostas enviadas à comissão de inquérito ao Novo Banco.

“Hoje é um dia histórico”: Ministra destaca aprovação do estatuto do profissional da Cultura

A ministra da Cultura sublinhou que “o estatuto para os profissionais da cultura é algo que nunca tinha acontecido e será capaz de trazer para o sistema de proteção social muitos milhares de profissionais do sector”.
Comentários