JPP critica Governo Regional por gestão florestal “completamente absurda”

O partido refere que o executivo já gastou mais de 30 milhões de euros em gestão de florestal, alertando que se anda a erradicar espécies altamente inflamáveis para depois voltar a planta-las em zonas de risco de incêndio.

O JPP criticou o executivo da Madeira por praticar uma gestão florestal “completamente absurda”, em que já se gastou mais de 30 milhões de euros, onde se erradica espécies invasoras altamente inflamável para depois voltar a planta-las em zonas de risco de incêndio.

O partido, através de Rafael Nunes, acusou o Governo Regional de revelar “desconhecimento profundo” sobre as espécies que se estão a disseminar, e que apesar das promessas a Madeira continua com “reservas sem planos de gestão, sem linhas de monitorização para as espécies e habitais prioritários”, a “aguardar contratação de sapadores florestais, e na actualização da carreiras dos vigilantes da natureza”.

Durante a sessão plenária que se está a realizar na Assembleia Legislativa da Madeira o deputado do JPP, Rafael Nunes, alertou para a degradação do património, e ainda sobre o “abate ilegal e ineficaz” das espécies da fauna endémica, “sem que se tenha feito um estudo de viabilização” e “sem qualquer medias” de afugentamento e sem “compensação para os agricultores”.

 

Recomendadas

Mais de 10 anos após primeiras reivindicações ainda não há lei das tatuagens, alerta Deco

Nas visitas realizadas pela nossa equipa da revista PROTESTE a estúdios de tatuagens verificou-se que tatuar a pele de um menor sem a autorização dos pais não levanta qualquer constrangimento a muitos profissionais.

PAN quer no mínimo dois deputados na Assembleia da Madeira

As bandeiras do partido são a saúde, o combate à corrupção e tráfico de influências, a luta contra a pobreza e uma linha marítima entre a Madeira e o continente.

Aliança quer eleger cidadãos e não políticos de profissão

O candidato refere que em sede de parlamento tudo é negociável e que o seu compromisso é fazer cumprir o programa de governo, mas que não tem pretensões de ir para governo, “a não ser que ganhemos as eleições”.
Comentários