Juiz Carlos Alexandre atrasa venda da Herdade da Comporta ao consórcio Vanguard/Amorim

Magistrado não se opõe à venda, mas rejeita pronunciar-se sobre registo das servidões. Compradores dizem ter solução até final de agosto.

O Juiz Carlos Alexandre do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), que não se opôs à venda dos ativos do Fundo da Herdade da Comporta, decidiu não se pronunciar sobre o registo das servidões (direitos de passagem de esgotos, água, energia, etc), o que é condição da venda. O argumento é que não se quer envolver na venda à Vanguard/Amorim.

Esta é a razão que explica que o contrato de compra e venda, que estava para ser assinado até ao dia 28 de junho, ainda não tenha sido assinado, avança o Jornal Económico esta sexta-feira (acesso pago).  Mas a Gesfimo, entidade que gere o Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Herdade da Comporta, e a Vanguard já têm uma solução para contornar o impasse, sabe o Jornal Económico.

No entanto, não foi revelada que solução permitirá o registo das servidões e a consequente assinatura do contrato de compra e venda. Certo é que a Vanguard Properties estima agora que até fim de agosto haja condições para avançar com a formalização da compra dos 916 hectares qeu compõem os Comporta Links e Comporta Dunes.

Num despacho do Ministério Público a que o Jornal Económico teve acesso, com data de dezembro de 2018 é dito “não se divisar razão para impedir ou deduzir oposição ao prosseguimento do processo de venda dos ativos do Fundo [da Herdade da Comporta], por não se ter vislumbrado a não observância de princípios que deveriam nortear a alienação de bens sob tutela judicial”.

Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários