Juiz Carlos Alexandre não aceita caução proposta por Luís Filipe Vieira

O juiz exige mais bens ao ex-presidente do SL Benfica que tinha apresentado ações do clube e um imóvel no valor de 1,2 milhões para pagar os três milhões de euros. Desta forma, Luís Filipe Vieira irá continuar em prisão domiciliária.

Lusa

O juiz Carlos Alexandre recusou a proposta de caução apresentada por Luís Filipe Vieira, para pagar os três milhões de euros a que ficou sujeito no âmbito da operação ‘Cartão Vermelho’, avança o jornal “Público” esta quarta-feira, 28 de julho, citando fonte do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Em causa estão os 3,28% de ações que o ex-presidente do SL Benfica detém na SAD. De acordo com o “Público”, o Ministério Público entende que este valor não deve ser o atual de mercado, dado o interesse do empresário norte-americano John Textor em adquirir 25% da SAD do clube.

O juiz Carlos Alexandre terá exigido mais bens ao ex-presidente do SL Benfica que tinha apresentado ações do clube no valor de 400 mil euros e um imóvel no valor de 1,2 milhões para pagar os três milhões de euros. Desta forma, Luís Filipe Vieira irá continuar em prisão domiciliária, situação onde se já encontra há duas semanas.

Entretanto, a “SIC” dá conta de que a defesa de Luís Filipe Vieira ainda não foi notificada desta decisão por parte do juiz.

Relacionadas

Luís Filipe Vieira dá imóvel e ações do Benfica como garantias para pagar caução de três milhões

O pagamento da caução tem de ser realizado até 30 de julho e a decisão de aceitar ou não a caução está nas mãos do juiz Carlos Alexandre, segundo o “Correio da Manhã”.

Defesa de Luís Filipe Vieira entrega requerimento para pagar caução de três milhões de euros (com áudio)

De acordo com a TSF, a caução será paga com ações que o ex-presidente do SL Benfica detém, bem como um imóvel cujo valor ronda os 1,2 milhões de euros.
Recomendadas

Juiz rejeita pedido da defesa de Ricardo Salgado para levantar cauções de três milhões de euros

Os advogados do ex-banqueiro exigiam a devolução das cauções prestadas no valor de três mil milhões de euros e, adicionalmente, também pediram que fossem levantados os 10,7 milhões de euros apreendidos nas contas bancárias na Suíça e outros bens.

ERSE. Tribunal condena Goldenergy a pagar multa no valor de 40 mil euros

Tribunal da Relação de Lisboa e o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão confirmaram a decisão da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) por multar a Goldenergy por não dispor de um sistema de atendimento telefónico eficaz entre 2014 e 2015.
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Advogados elogiam pedido de constitucionalidade da lei que obriga denúncias de evasão fiscal

A Provedora de Justiça pediu ao Tribunal Constitucional a 15 de setembro que fiscalize a lei publicada a 21 de julho de 2020 que transpôs uma diretiva europeia, estabelecendo a obrigação de comunicação à AT a de determinados mecanismos internos ou transfronteiriços com relevância fiscal.
Comentários