Juiz rejeita pedido da defesa de Ricardo Salgado para levantar cauções de três milhões de euros

Os advogados do ex-banqueiro exigiam a devolução das cauções prestadas no valor de três mil milhões de euros e, adicionalmente, também pediram que fossem levantados os 10,7 milhões de euros apreendidos nas contas bancárias na Suíça e outros bens.

O juiz Carlos Alexandre terá recusado levantar as cauções de Ricardo Salgado, pedidas pela defesa do antigo banqueiro, no valor total de três milhões de euros, avança o “Correio da Manhã” na edição desta terça-feira, dia 21 de setembro.

No âmbito dos processos BES e Monte Branco, os advogados de Ricardo Salgado exigiam a devolução das cauções prestadas no valor de três mil milhões de euros e, adicionalmente, também pediram que fossem levantados os 10,7 milhões de euros apreendidos nas contas bancárias na Suíça e outros bens.

As alegações finais do julgamento do antigo presidente do Grupo Espírito Santo (GES), Ricardo Salgado, foram agendadas pelo coletivo de juízes para a tarde de 22 de outubro, dia em que ainda serão ouvidas três a quatro testemunhas.

Recomendadas

Defesa de Ricardo Salgado pede suspensão do processo por diagnóstico de Alzheimer

De acordo com os documentos a que a Lusa teve acesso, o requerimento, que deu entrada no tribunal em 14 de outubro, confirma os “sintomas de declínio cognitivo progressivo” já expostos num anterior requerimento submetido em julho e é agora atualizado com exames complementares realizados nos últimos meses e um relatório médico assinado na última terça-feira pelo médico neurologista Joaquim Ferreira.

PremiumPolitização da Justiça no caso catalão esbarra no Orçamento

Detenção do antigo presidente da autonomia catalã, Carles Puigdemont, desta vez em Itália, vem lembrar que Espanha tem um problema pendente. Mas quando se debate o primeiro Orçamento do Estado pós-pandemia há mais problemas.

Premium“Infelizmente, OE continua a manter taxação de IVA para solicitadores, advogados e notários”

Bastonário lamenta que OE2022 mantenha taxação de IVA de atos jurídicos efetuados em concorrência com o Estado, o que é “muito lesiva” aos cidadãos. Teme ainda cobranças ilegais e quer sorteio de agentes de execução.
Comentários