Juncker para Parlamento Europeu: “Combatam com todas as vossas forças os nacionalismos estúpidos”

Jean Claude Juncker falou perante a sessão plenária do Parlamento Europeu e fez um balanço dos últimos cinco anos da Comissão Europeia. Mas abordou ainda o que falta fazer na construção do projeto europeu: um tratado com a Suíça, unificar o Chipre e aperfeiçoar a União Bancária com um sistema de garantia de depósitos comum.

A poucos dias de ser substituído na presidência da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker apelou  aos deputados do Parlamento Europeu (PE) para lutarem contra o surgimento do populismo na Europa.

“Lutem, com todas as vossas forças, contra os nacionalismos estúpidos”, pediu Juncker, esta terça-feira, aos deputados do PE, que reuniu em sessão plenária, em Estrasburgo que, a par de Bruxelas, é uma das duas cidades onde o PE tem sessões plenárias.

No discurso, intitulado “A Europa: Um Assunto do Coração”, Juncker fez um balanço dos cinco anos em que esteve na liderança da Comissão Europeia.  “Quando iniciei funções em 2014, a Europa estava fragilizada, com numerosas fissuras e ruturas na solidariedade”, disse o ainda presidente da Comissão.

Juncker lembrou que teve por objetivo dar um carácter político à Comissão. “Eu quis que os Comissários fossem eleitos – e foram-no”, disse, com a exeção do Comissário britânico. “E eu queria que os Comissários fossem caras conhecidas – nos seus países e na Europa”.

“Nos últimos cinco anos, organizámos 1.815 diálogos com os cidadãos e os Comissários estiveram 911 vezes nos Parlamentos nacionais e nos Parlamentos regionais”, revelou Juncker.

Juncker relembrou ainda as três palavras de ordem quando se apresentou ao Parlamento há cinco anos: “crescimento, emprego e investimento”.

“Estamos no vigésimo-quinto trimestre consecutivo de crescimento. Tivemos sete anos de crescimento na União Europeia. Criámos 14 milhões de postos de trabalho. O desemprego é o menos elevado desde o ano 2000. 241 milhões de europeus têm trabalho, o que representa uma taxa de emprego de 73,9%”, disse o presidente da Comissão.

O ‘Plano Juncker’ também não foi esquecido pelo cérebro que o pensou. “O ‘Plano Juncker gerou investimentos na casa dos 439 mil milhões de euros”, vincou o presidente da Comissão. “Mais de um milhão de empregos foram criados graças a este plano”.

Entre as desilusões que marcaram o mandato, Juncker falou do fracasso “no avanço do dossiê na unificação cipriota”, ilha dividida num lado turco e um lado cipriota. E, “também não fomos capazes de concluir um tratado com a Suíça, apesar dos inúmeros esforços”, disse o luxemburguês.

Juncker culpou os Estados Membros por não ter conseguido “aperfeiçoar a União Bancária”. “Não foi por falta de propostas de Comissão, mas antes por culpa – graças à ausência de esforço – dos Estados Membros”, frisou.

“Se não completarmos a União Bancária como deve ser, de forma a tornar a União Económica e Monetária numa união bancária que caracteriza, no mundo inteiro, todas as uniões monetárias, não estaremos prontos para responder ao próximo choque – seja ele interno, seja ele do exterior”, vincou Juncker.

Além disso, para completar a União Bancária, Juncker disse falta “pôr em funcionamento um sistema de garantia de depósitos”, algo que qualifica como uma “obrigação ardente”.

“Sem garantia de depósitos, não há uma União Bancária, e sem União Bancária”, não há mais União Económica e Monetária”.

Ler mais
Relacionadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, a relação económica e geopolítica com os Estados Unidos continua a pesar mais.

“Uma perda de tempo e energia”. Juncker critica impasse do Brexit

O processo de divórcio entre o Reino Unido e os 27 está dependente da sessão parlamentar desta tarde, na Câmara dos Comuns. Até que se chegue a um consenso em Westminster, os eurodeputados no Parlamento Europeu não deverão aprovar o acordo do Brexit.

Portugal foi o país da Europa que mais reduziu a dívida pública no segundo trimestre

Rácio de 121,2% do PIB mantém Portugal como o terceiro país com a dívida pública mais elevada da Europa, depois da Grécia e da Itália.
Recomendadas

Estados Unidos deixam de considerar ilegais colonatos israelitas na Cisjordânia

Bairros não são por si inconsistentes com o direito internacional, diz Pompeo – no que contrasta com parte do resto do mundo. A hipótese de dois Estados fica mais longe.

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

“Incorreto e inapropriado”. Assessor da Casa Branca critica telefonema de Trump ao homólogo ucraniano

Alexander Vindman, especialista sobre a Ucrânia do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse hoje que ficou “preocupado” enquanto tirava notas do telefonema entre Donald Trump e Zelensky, em 25 de julho – a chamada que está no centro do inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, em que Trump é acusado de ter tentando pressionar o homólogo ucraniano a investigar Joe Biden, rival político do líder norte-americano.
Comentários