Juncker: “Portugal saiu do PDE e os desequilíbrios já não são excessivos. Quem teria acreditado?”

O presidente do executivo comunitário sublinhou que “a verdade é que estes progressos exigiram dos portugueses ao longo destes dolorosos anos esforços consideráveis, que os outros europeus nem sempre valorizam na medida certa”.

© European Union , 2017 / Source: EC – Audiovisual Service

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, prestou hoje “homenagem” a Portugal pelo “belo desempenho coletivo” que permitiu ao país ultrapassar a crise e chegar hoje a uma situação económica em que poucos acreditaram há alguns anos.

Intervindo imediatamente a seguir ao primeiro-ministro, António Costa, no debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre o Futuro da União Europeia, o presidente do executivo comunitário voltou a dar conta da sua paixão por Portugal, um país “fortemente atingido pela crise”, pelo que fica particularmente feliz por constatar a atual situação económica.

“Portugal saiu no ano passado do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) e, na semana passada, a Comissão concluiu que os desequilíbrios já não são excessivos. Quem teria acreditado há uns anos? Quem teria acreditado?”, disse.

O presidente do executivo comunitário sublinhou que “a verdade é que estes progressos exigiram dos portugueses ao longo destes dolorosos anos esforços consideráveis, que os outros europeus nem sempre valorizam na medida certa”.

“É um belo desempenho coletivo que honra cada português. Quero por isso aqui render homenagem aos portugueses, aos que dirigiram o país durante os anos de crise, levando à correção dos desequilíbrios, e sobretudo ao povo português, sobretudo aos mais modestos dos portugueses, que contribuíram com uma coragem admirável e sucesso para este grande esforço nacional”, afirmou, sendo muito aplaudido pelos parlamentares.

Juncker aproveitou para “sublinhar também que este resultado notável contraria aqueles que criticaram a Comissão por aplicar o pacto de estabilidade com sensatez e flexibilidade”, o que ajudou Portugal a sair da crise da forma que o fez.

O presidente da Comissão advertiu que “a situação melhorou mas evidentemente resta trabalho a fazer”, sobretudo no sentido de “consolidar os resultados obtidos de forma a virar definitivamente a página sobre estes anos sombrios”, e apontou como prioritário melhorar a competitividade.

Tendo sentado a seu lado no hemiciclo o comissário Carlos Moedas, a quem elogiou “a sorte de ser português” e “o trabalho absolutamente notável” que tem feito à frente da pasta da Investigação, Ciência e Inovação, Juncker garantiu que Portugal pode continuar a contar com a Comissão Europeia, da mesma forma que a Europa conta com Portugal.

“Os meses que se seguem são cruciais para o futuro da Europa. Seremos julgados com base nos factos, e não nas palavras, e Portugal sempre demonstrou largamente que respeita o que diz, quaisquer que sejam as dificuldades. O futuro da Europa passa também por Portugal”, afirmou. “Obrigado a todos”, despediu-se, em português.

António Costa é o terceiro líder europeu a participar no ciclo de debates promovido pelo Parlamento Europeu sobre o Futuro da UE, iniciado este ano, depois dos primeiros-ministros da Irlanda, Leo Varadkar, em janeiro, e da Croácia, Andrej Plenkovic, em fevereiro, e antes do Presidente francês, Emmanuel Macron, o “convidado de honra” da sessão plenária de abril.

Relacionadas

Juncker considera que Portugal é exemplo a seguir no acolhimento de refugiados

“O acolhimento que os portugueses e o Governo português reservaram aos refugiados mostra-o claramente. Portugal faz mais do que a sua parte ao recolocar muitos refugiados oriundos da Grécia e Itália, o que constitui um exemplo que deveria inspirar alguns”, elogiou o presidente da Comissão Europeia.
Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários