Juros altos?

Taxas de juro mais altas podem colocar em causa a recuperação económica. Os bancos centrais e os governos não parecem nada interessados em ter taxas de juro mais altas nos próximos tempos.

A subida dos juros de longo prazo e as perspetivas de inflação têm sido temas centrais de discussão nos mercados financeiros. O assunto não é irrelevante – taxas de juro mais altas podem colocar em causa a recuperação económica e a capacidade de famílias, empresas e Estados conseguirem fazer face às suas dívidas no longo prazo.

Há cada vez mais analistas a considerarem que o risco de inflação e juros altos no futuro é real, resultado dos enormes montantes de estímulos fiscais e monetários que têm sido introduzidos nas economias. Mas há outras perspetivas a considerar. A subida dos juros até poderá continuar, mas pode não se manter a longo prazo por dois motivos:

1. Os bancos centrais não pretendem colocar em risco a recuperação económica, nem ajudar a criar uma situação com potencial de resultar numa nova crise financeira; 2. É discutível que a inflação continue a acelerar para além de 2021.

Há sinais de inflação neste início de ano, não existe pressão por parte da procura. O desemprego mantém-se elevado na generalidade das economias e até poderia ser maior sem medidas como os programas de emprego a tempo parcial ou lay-offs. A inflação parece derivar, essencialmente, da subida de preços nas matérias-primas e energia, bem como de problemas em muitas cadeias logísticas. É de esperar que a reabertura das economias resulte num aumento de consumo (revenge spending), mas esse poderá ser um efeito temporário e mais concentrado nos serviços.

Em resumo, a subida da inflação parece essencialmente temporária e provavelmente regressar-se-á ao cenário de excesso de capacidade instalada em pouco tempo. E, como já foi referido, os bancos centrais e os governos não parecem nada interessados em ter taxas de juro mais altas nos próximos tempos.

Recomendadas

Novos impostos sobre capital arruínam o dia em Wall Street

Não é uma notícia confirmada, apenas um rumor: a administração Biden pode estar a preparar novos impostos sobre os grandes salários e sobre os rendimentos do capital. Wall Street tremeu de imediato.

“Mercados em Ação”. “Principal fator para a força do euro é a fraqueza do dólar”

“Penso que os dois fatores contribuem. O principal fator que contribui para a força do euro será a fraqueza do dólar, neste momento. Claro que temos também o aumento do apetite pelo risco”, salientou o analista sénior Ricardo Evangelista no programa da JE TV.

Grupo EDP dispara em bolsa em reação ao compromisso de redução de emissões em 50% dos EUA

O grupo energético português juntou-se a mais 406 empresas que pediram à administração de Joe Biden que assumisse compromissos climáticos mais “ambiciosos” no dia em que decorre a Cimeira para o Clima.
Comentários