Just Eat e Takeaway confirmam fusão. Operação vale dez mil milhões de euros

As duas companhias justificam a decisão de unirem a operação pela rápida consolidação do setor. Só a Takeaway.com e a Just Eat, em 2018, realizaram 355 milhões de entregas no valor de 7,3 mil milhões de euros. A Takeaway.com está presente em Portugal desde o início deste ano e já conta com uma parceria com os supermercados Pingo Doce.

takeaway.com

A holandesa Takeaway.com e a britânica Just Eat confirmaram esta segunda-feira que a fusão das duas empresas de entrega de refeições ao domicílio vai mesmo acontecer, escreve o “Financial Times” esta segunda-feira. Da fusão nascerá a maior plataforma online de entrega de refeições da Europa cuja operação poderá valer 10,1 mil milhões de euros.

As duas companhias justificam a decisão de unirem a operação pela rápida consolidação do setor. Só a Takeaway.com e a Just Eat em 2018 realizaram 355 milhões de entregas no valor de 7,3 mil milhões de euros.

Para concretizar esta fusão, a Just Eat vai receber ações da Takeaway.com, valorizando o património da empresa britânica, cotada na Bolsa de Londres, em aproximadamente cinco mil milhões de libras (cerca de 5,4 mil milhões de euros). O novo grupo poderá chamar-se de Just Eat Takeaway.com, sendo que os britânicos vão controlar 52,15% do novo grupo e os holandeses vão deter os restantes 47,8%.

“Este é o começo do longo processo de consolidação do setor”, afirmou o chairman da Just Eat, Mike Evans, citado pelo “Financial Times”, que também assumirá a o mesmo cargo no novo grupo. Já o homólogo da empresa holandesa, Adriaan Nühn, ficará com o cargo de ‘vice’ e terá a pasta da supervisão da nova companhia.

O atual presidente executivo da Takeaway.com, Jitse Groen, será o presidente executivo do novo grupo que ficará sediado em Amesterdão, na Holanda, embora fique cotada na Bolsa de Valores de Londres, mercado onde manterá parte importante da sua operação. Ainda assim, a saída da Takeaway.com da praça holandasa só ocorrerá dentro de um ano.

As operações das duas empresas não se sobrepõem geograficamente, o que significa que o novo grupo terá uma ‘pegada’ mundial reforçada. A Just Eat opera no Reino Unido e na Europa Ocidental, tendo em marcha uma expansão da sua atividade até ao Canadá, Austrália e América do Sul. Já a Takeaway.com encontra-se, sobretudo na Europa de Leste e tem uma posição dominante na Alemanha – desde o início de 2019 que está também presente em Portugal.

Just Eat e Takeway.com estudam fusão. Grupo pode ter operação superior a dez mil milhões de euros

Ler mais
Relacionadas

Just Eat e Takeway.com estudam fusão. Grupo pode ter operação superior a dez mil milhões de euros

Ambas já chegaram a um princípio de acordo, sendo que o grupo resultante chamar-se-á Just Eat Takeaway.com.

Takeaway chega a Lisboa

António Barradas, Director de Vendas da Takeaway.com, assegura que “estamos a alargar a nossa oferta aos clientes em Portugal a uma nova variedade de restaurantes que não possuem o seu próprio serviço de entregas”.

Pingo Doce e Takeaway iniciam entrega de refeições ao domicílio em Lisboa

Este serviço da cadeia de retalho do Grupo Jerónimo Martins em parceria com a empresa de entrega Takeaway.com não cobra taxa de entrega.
Recomendadas

Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

ASF aprova norma que estabelece qualificação adequada para vendedores de seguros

A ASF entende que o reforço da qualificação “em impacto na qualidade da prestação de serviços, na diminuição da conflitualidade e do número de reclamações, o que, por seu turno, acarreta consequências positivas em termos reputacionais e da imagem do setor”.

Portugal vai “perder 200 milhões de euros num ano” mas Altice não vai “estorvar” compra da TVI

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Hoje Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.
Comentários