Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

O Ministério Público decidiu arquivar o investigação sobre a enigmática Yupido, uma empresa portuguesa com um capital social na ordem dos 29 mil milhões de euros, dois anos depois da abertura do processo, noticiou o “Jornal de Notícias” esta terça-feira, 6 de agosto.  A lenta investigação não levou à constituição de arguidos sobre a startup tecnológica cujo capital social supera o das 12 maiores empresas de Portugal.

A tecnológica descreve nos documentos oficiais que desenvolve uma “plataforma digital inovadora de armazenamento, proteção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media” e que se “destaca pelos algoritmos que a constituem”. Contudo, a Yupido nada produziu ou apresentou ao mercado, nem tem atividade pública, apesar das garantias do fundador Torcato Jorge.

Em 2017, o fundador da empresa, Torcato Jorge, contou que a empresa estava a preparar o registo de 42 patentes , contudo nada foi anunciado posteriormente. No ano seguinte, foi noticiado que o primeiro grande serviço da Yupido iria ser lançado mundialmente, abrindo portas à contratação de 206 pessoas. Nada aconteceu também.

Criada em 2015 e, tal como o fundador Torcato Silva contou ao JE em 2017, “todos os procedimentos legais, tanto na constituição da empresa como no aumento de capital, foram cumpridos e aceites pelos órgãos competentes”.

A Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto (atual líder do Iniciativa Liberal) ter divulgado na sua conta de Twitter o capital social desta startup tecnológica.

O montante do capital social foi avaliado pelo revisor oficial de contas (ROC) independente António Alves da Silva, profissional com mais de 50 anos de carreira. Em maio de 2018, o revisor oficial de contas que atribuiu o valor de 29 mil milhões à empresa foi suspenso pela Ordem dos ROC por dois anos, depois de ter sido chumbado num processo administrativo de avaliação da idoneidade.

Yupido: Como um jovem comum é o dono disto tudo

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumJurista Benja Satula diz que justiça poderia “facilmente” arrestar bens e empresas em Portugal

O combate ao enriquecimento ilícito em Angola vai subir de tom quando reabrir o ano judicial em Luanda. Ao Jornal Económico, o diretor do Centro de Investigação de Direito da Universidade Católica de Angola destaca a conivência de auditores e advogados nesta questão.

Luanda Leaks: Rui Pinto terá sido o denunciante segundo a PJ

As autoridade relacionam o facto o advogado de Rui Pinto, William Bourdon, ser um dos fundadores da PPLAAF, uma plataforma de proteção de denunciantes em África.

10 demissões em menos de uma semana. Como o ‘Luanda Leaks’ afetou pessoas da confiança de Isabel dos Santos

Em menos de uma semana, as revelações feitas pela investigação jornalística Luanda Leaks já provocaram várias demissões em empresas participadas por Isabel dos Santos, como a NOS, Efacec e EuroBic. Em Angola, as revelações também estão a provocar réplicas em empresas como o Banco de Fomento de Angola (BFA) ou a operadora de telecomunicações Unitel.
Comentários