Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

O Ministério Público decidiu arquivar o investigação sobre a enigmática Yupido, uma empresa portuguesa com um capital social na ordem dos 29 mil milhões de euros, dois anos depois da abertura do processo, noticiou o “Jornal de Notícias” esta terça-feira, 6 de agosto.  A lenta investigação não levou à constituição de arguidos sobre a startup tecnológica cujo capital social supera o das 12 maiores empresas de Portugal.

A tecnológica descreve nos documentos oficiais que desenvolve uma “plataforma digital inovadora de armazenamento, proteção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media” e que se “destaca pelos algoritmos que a constituem”. Contudo, a Yupido nada produziu ou apresentou ao mercado, nem tem atividade pública, apesar das garantias do fundador Torcato Jorge.

Em 2017, o fundador da empresa, Torcato Jorge, contou que a empresa estava a preparar o registo de 42 patentes , contudo nada foi anunciado posteriormente. No ano seguinte, foi noticiado que o primeiro grande serviço da Yupido iria ser lançado mundialmente, abrindo portas à contratação de 206 pessoas. Nada aconteceu também.

Criada em 2015 e, tal como o fundador Torcato Silva contou ao JE em 2017, “todos os procedimentos legais, tanto na constituição da empresa como no aumento de capital, foram cumpridos e aceites pelos órgãos competentes”.

A Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto (atual líder do Iniciativa Liberal) ter divulgado na sua conta de Twitter o capital social desta startup tecnológica.

O montante do capital social foi avaliado pelo revisor oficial de contas (ROC) independente António Alves da Silva, profissional com mais de 50 anos de carreira. Em maio de 2018, o revisor oficial de contas que atribuiu o valor de 29 mil milhões à empresa foi suspenso pela Ordem dos ROC por dois anos, depois de ter sido chumbado num processo administrativo de avaliação da idoneidade.

Yupido: Como um jovem comum é o dono disto tudo

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumJustiça investiga três dos candidatos do PSD a deputados na Assembleia da República

Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder e falsidade informática. Visados são obrigados a apresentar demissão, caso sejam condenados. Direção do PSD recusa “julgamentos em praça pública”.

Pardal Henriques reage à acusação da PGR: “Nunca fiz nenhuma burla e aguardo para ser notificado”

O porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) afirma que em abril o Departamento de Investigação e Ação Penal “respondeu-nos que não existia queixa nenhuma”.
pedro-pardal-henriques

Pardal Henriques é alvo de inquérito judicial, confirma PGR

“Confirma-se a existência de um inquérito, o qual se encontra em investigação no DIAP de Lisboa”, diz a PGR numa resposta escrita à agência Lusa sobre a existência de uma investigação a Pardal Henriques.
Comentários