PremiumKlaus Iohannis: nem toda a Cortina de Ferro continua a ser de ferro

A abertura das portas da União Europeia aos países que fizeram parte da Cortina de Ferro – que tinha por função ser a primeira fronteira e se necessário a primeira zona de defesa da antiga União Soviética – foi uma decisão que a própria União se impôs depois de ter sido um dos contribuintes líquidos para o fim do mundo comunista.

A abertura das portas da União Europeia aos países que fizeram parte da Cortina de Ferro – que tinha por função ser a primeira fronteira e se necessário a primeira zona de defesa da antiga União Soviética – foi uma decisão que a própria União se impôs depois de ter sido um dos contribuintes líquidos para o fim do mundo comunista. De algum modo, não podia ser de outra maneira: depois de décadas a acenar-lhes com os benefícios, todos eles felizes, da sociedade de consumo ocidental – a vontade de poder sujar uma camisa Yves Saint Lorent com o molho de um hambúrguer da McDonald’s teve mais impacto no fim do comunismo que o medo suscitado pelos mísseis Pershing-2 instalados no antigo território da República Federal da Alemanha – a Europa Ocidental não podia impedir a sua congénere Oriental de se sentar à mesa do banquete.

Há quem diga que foi uma precipitação: é que, atrás da rejeição do comunismo como princípio político, escondia-se uma visão redutora ou apenas simplesmente pouco esclarecida do que deve ser a democracia, e os choques entre dois mundos separados por décadas de um passado civilizacional divergente fizeram sentir-se em pouco tempo. E ainda hoje se sentem: não é por acaso que Bruxelas, apesar de todos os esforços despendidos, não consegue silenciar as tentações autocráticas sobejamente reconhecidas nas sociedades húngara, polaca, búlgara ou eslovena, entre outras.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Diário da Peste chega ao Youtube do D. Maria II este sábado

Um projeto de Isabel Abreu a partir de textos de Gonçalo M. Tavares, Diário da Peste poderá ser visto de 23 de outubro a 31 de dezembro, ao ritmo de um episódio por dia, sempre às 21h.

Jazz ao Centro: no princípio era a animação com SPACE Ensemble

Já pensou em assistir àquela que é considerada a primeira longa-metragem de animação da história do cinema? E musicada ao vivo? É a proposta do SPACE Ensemble no âmbito do Jazz ao Centro, em Coimbra.

A combinação perfeita para relaxar este outono

O programa inclui uma massagem e uma incursão relaxante no circuito de balneoterapia do hotel. Segue-se um lanche muito guloso, da autoria do chef pasteleiro Joaquim de Sousa.
Comentários