Las Vegas: Algoritmo da Google aponta para site que identifica de forma errada o atirador

Numa pesquisa no Google sobre o atirador de Las Vegas, surge o nome de Geray Danley no site 4chan, associado à alt-right e conhecido por colocar em circulação notícias falsas.

O algoritmo do Google colocou o site de imageboard 4chan, que identifica de forma errada o alegado atirador do massacre que ocorreu esta manhã em Las Vegas, no topo das pesquisas, noticia o Business Insider. 

Numa pesquisa no Google sobre o atirador de Las Vegas, surge o nome de ‘Geray Danley’ no site associado à ‘alt-right’ e conhecido por colocar em circulação notícias falsas. O algoritmo da Google deveria fazer uma filtragem e apenas exibir dados pouco credíveis no topo das pesquisas, o que não aconteceu neste caso.

Geray Danley, que foi identificado erradamente pelo site 4chan, vê agora o seu nome no topo das pesquisas associadas ao tiroteio e sofre duras críticas, nomeadamente no Twitter.

Relacionadas

Ataque em Las Vegas faz 58 mortos

Um homem de 64 anos disparou sobre a multidão que assistia a um festival nas imediações de um casino em Las Vegas, causando a morte a 20 pessoas e ferindo mais de 100. A polícia já abateu o responsável.
Recomendadas

Portugal Space abre candidaturas para programa de deteção de plástico nos oceanos

As inscrições decorrem até outubro e a melhor proposta de investigação recebe até 500 mil euros. O concurso está aberto a entidades nacionais e internacionais, estando estas últimas obrigadas a trabalhar em estreita cooperação com as instituições portuguesas, que deverão ser líderes de projecto ou, em alternativa, estabelecendo atividade em Portugal.

Netflix e Disney+ servem de ‘isco’ para piratas informáticos

Ao investigar 25 programas originais nas cinco principais plataformas de streaming (Disney+, Netflix, Amazon Prime, Hulu e Apple TV Plus), a Kaspersky descobriu que os cinco programas que mais servem de isco são – The Mandalorian (Disney+), Stranger Things (Netflix), The Witcher (Netflix), Sex Education (Netflix) e Orange is the New Black (Netflix).

Netflix: nova funcionalidade de reprodução de vídeos envolta em controvérsia

Esta função permite colocar o vídeo numa reprodução mais rápida ou mais lenta, mas tem sido bastante controversa no meio. Criadores, diretores e guionistas do setor opuseram-se deste o início a esta forma de visionar o conteúdo, sustentando que esta “distorce” o conteúdo.
Comentários