Las Vegas: FBI dá apoio a autoridades locais para determinar motivo do tiroteio

Donald Trump não falou sobre a violência armada, enquanto Sarah Huckabee Sanders, secretária de imprensa da Casa Branca, disse que há “tempo e lugar para debate político, mas agora é o momento de unir o país”.

Em Las Vegas, a polícia está a investigar o motivo por trás do tiroteio mais mortal da história moderna dos Estados Unidos, depois de terem encontrado mais de 40 armas pertencentes a Stephen Paddock, o atirador de 64 anos. O FBI está a dar apoio às autoridades locais mas acredita que o americano agiu sozinho, rejeitando a hipótese deste ataque estar relacionado com órgãos terroristas internacionais.

Pelo menos 59 pessoas morreram e 527 ficaram feridas, na noite de domingo, quando um homem armado, identificado como Stephen Paddock, começou a disparar do 32º andar do ‘Mandalay Bay Hotel and Casino’ para uma multidão de 22 mil pessoas, que estavam num festival de música country. O homem matou-se de seguida. Stephen Paddock partiu duas janelas para abrir fogo durante o festival.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, descreveu o massacre como um “puro ato de maldade”. O tiroteio aconteceu 15 meses depois do ataque na discoteca ‘Pulse’ em Orlando, Flórida, que fez 49 mortos.

Trump não mencionou a violência armada, enquanto Sarah Huckabee Sanders, secretária de imprensa da Casa Branca, disse que há “tempo e lugar para debate político, mas agora é o momento de unir o país”, cita o Financial Times.

As autoridades norte-americanas encontraram 23 armas no quarto do hotel do atirador, e mais 19 em sua casa. A polícia também encontrou explosivos e vários milhares de munições na casa do suspeito, em Mesquite, uma cidade de Nevada, a cerca de uma hora de distância de onde ocorreu o tiroteio.

A polícia acredita que as armas foram levadas para o hotel em malas, em pelo menos 10 viagens. Os jornalistas confrontaram as autoridades dos EUA sobre como o arsenal passou despercebido até ao ataque, ao que o assistente de xerife Todd Fasulo respondeu: “Isso faz parte da nossa investigação”.

O xerife de Las Vegas, Joe Lombardo, disse que a polícia não tem evidências para apoiar uma reivindicação de responsabilidade por parte do auto proclamado Estado Islâmico.

Não há grandes perspetivas sobre o aumento do controlo de armas nos EUA, principalmente desde que os republicados controlam a Casa Branca e o Congresso opõe-se a qualquer movimento que possa “enfraquecer” a Segunda Emenda da Constituição, que dá aos americanos o direito de ter armas.

 

Ler mais
Relacionadas

Estado Islâmico reivindica ataque em Las Vegas

O Estado islâmico reivindicou a autoria do ataque de domingo à noite em Las Vegas, reclamando que o atacante se havia convertido ao islamismo “há poucos meses”.

Ataque em Las Vegas faz 58 mortos

Um homem de 64 anos disparou sobre a multidão que assistia a um festival nas imediações de um casino em Las Vegas, causando a morte a 20 pessoas e ferindo mais de 100. A polícia já abateu o responsável.

Las Vegas: Algoritmo da Google aponta para site que identifica de forma errada o atirador

Numa pesquisa no Google sobre o atirador de Las Vegas, surge o nome de Geray Danley no site 4chan, associado à alt-right e conhecido por colocar em circulação notícias falsas.
Recomendadas

Wuhan sem casos assintomáticos pela primeira vez

No domingo foram efetuados 60 mil testes e a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan não encontrou novos casos assintomáticos.

Itália abre fronteiras mas exclui países que impõem restrições a italianos

Os passageiros serão testados à chegada e, se mostrarem resultados negativos para a infeção, ficarão em quarentena por sete dias. Se o teste der positivo, ou seja, se mostrarem que os viajantes estão infetados com covid-19, a quarentena será de 14 dias.

“Decepcionante e inexplicável”. OMS reage ao fim da cooperação com os EUA

EUA pagam entre 364 e 455 milhões de euros por ano à OMS, um valor que é muito superior aos 36 milhões de euros da China, conforme tem apontado Donald Trump.
Comentários