Lay-off e apoio à retoma progressiva: 61 mil empresas recebem apoio a 24 de fevereiro

Os apoios dos pedidos submetidos até dia 19 deste mês serão pagos até ao dia 24. Este mês, custo com o lay-off é de 88 milhões de euros e com o apoio à retoma progressiva ascende a 47 milhões de euros.

Ana Mendes Godinho, Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social | Lusa

A Segurança Social vai pagar 135 milhões de euros a 61 mil empresas no dia 24 de fevereiro no âmbito dos apoios do lay-off simplificado e do apoio extraordinário à retoma progressiva, relativo aos pedidos entregues até ao dia 19 deste mês.

“Serão pagos 135 milhões de euros a um total de 61 mil entidades empregadoras, estando abrangidos 334 mil trabalhadores”, explica uma nota publicada esta segunda-feira no site da Segurança Social.

Segundo as informações da Segurança Social serão pagos apoios a 45,8 mil empresas com 219 mil trabalhadores, no valor de 88 milhões de euros no âmbito do lay-off simplificado. Já no caso do Apoio à Retoma Progressiva estão abrangidas 15,4 empresas, com 115 mil trabalhadores, e no montante de 47 milhões de euros.

Também a 24 de fevereiro será pago o adicional da compensação retributiva para perfazer os 100% da retribuição normal ilíquida, até ao limite de três vezes a RMMG (1.995 euros), com retrativos a janeiro.

“No caso do Apoio à Retoma Progressiva, este adicional será pago com retroativos a janeiro e fevereiro a 16 de março”, informa a Segurança Social.

Recomendadas

Mais de mil famílias aguardam ainda resposta do IHRU sob apoios às rendas, reconhece secretária de Estado

A baixa adesão a estas medidas de apoio é justificada com a tentativa dos inquilinos de, face a algum rendimento disponível, honrarem os seus compromissos junto dos senhorios, segundo a secretária de Estado. Outras políticas como o Programa de Rendas Acessíveis também não têm tido o impacto desejado, reconhece.
Senado dos Estados Unidos

EUA: Senado aprova novo pacote de estímulos de 1,9 biliões de dólares

O voto duramente partidário resultou na aprovação, após longas negociações, de um novo pacote de estímulos à economia mais afetada no mundo pela Covid-19 que coloca a resposta pandémica em 4,95 biliões de euros até agora.

Madeira quer estar incluída no Banco de Fomento até final do mês

O vice-presidente do executivo madeirense considerou que “se há uma ajuda comunitária à constituição de um banco de fomento para servir a nível nacional, não faz qualquer sentido as regiões não estarem lá representadas”.
Comentários