PremiumDe onde vêm as maiorias absolutas na democracia portuguesa

Lisboa e Porto elegem mais deputados, mas não é aí que os vencedores das legislativas somam mais mandatos do que os outros partidos juntos. A maioria absoluta que algumas sondagens põem ao alcance do PS de António Costa depende do resultado do vencedor, mas também da vantagem em relação ao segundo partido e de votos que não elegem ninguém.

Caso fosse fácil obter maiorias absolutas de um só partido ou coligação pré-eleitoral na Assembleia da República, como algumas sondagens indicam que pode acontecer ao PS de António Costa a 6 de outubro, seguramente teria havido mais ao longo de mais de quatro décadas. Os factos falam por si: em 14 atos eleitorais tal só aconteceu cinco vezes, começando nas intercalares de 1979, que levaram ao poder a Aliança Democrática de Sá Carneiro, que confirmou o resultado em 1980, dois meses antes de morrer em Camarate, e passando pelas vitórias de Cavaco Silva em 1987 e 1991, até ao caso mais recente, quando José Sócrates se tornou o primeiro líder socialista a conquistar mais de metade do hemiciclo.

Foi em 2005, seis anos depois de António Guterres ficar a um mandato da maioria absoluta, com um empate 115-115 entre o PS e a oposição, e a diferença entre os 44,06% de votos obtidos pelo atual secretário-geral das Nações Unidas e os 45,03% que levaram ao poder, com 121 deputados, o mais polémico primeiro-ministro da democracia portuguesa não é a única explicação para o segundo ter alcançado o que o primeiro não obteve.

Artigo publicado na edição nº 2007 de 20 de setembro do Jornal Económico. Para ler a edição completa aceda aqui ao JE Leitor 

Relacionadas

Sondagem Aximage/JE: Recuperação do PSD deixa maioria absoluta do PS mais distante

O PSD e o seu presidente, Rui Rio, reduziram o enorme fosso que os separava do PS de António Costa a pouco mais de uma semana das eleições legislativas, e segundo uma sondagem realizada pela Aximage para o Jornal Económico têm agora apenas 12,2 pontos percentuais de desvantagem nas intenções de voto, o que torna ainda mais improvável um cenário de maioria absoluta socialista, no qual já não acreditam quatro em cada cinco entrevistados que preveem a vitória do PS a 6 de outubro.

“Está decidido!”. Rui Rio reage às sondagens que dão pior resultado de sempre ao PSD

Barómetro Político de Setembro da Aximage, que a partir deste mês passa a ser publicado pelo Jornal Económico, indica que o PS atingiu o valor de intenções de voto mais elevado deste ano, com 38,4%. Em contraponto, o PSD, com 20,6%, atinge o pior resultado de sempre. Líder do PSD já reagiu nas redes sociais.
Recomendadas

PremiumImpressoras 3D transformam indústrias à boleia da era digital

Na quarta revolução industrial, as impressoras 3D já desempenham um papel relevante na produção de quase tudo, incluindo órgãos humanos. De acordo com um estudo do banco Internationale Nederlanden Groep, estima-se que, nas próximas duas décadas, um em cada dois produtos industriais será impresso a três dimensões.

PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

PremiumRacismo no desporto: O planeta dos macacos

Esporádicos, isolados, pontuais. É assim que normalmente são descritos os episódios de racismo no desporto, que existem há décadas, são uma constante em alguns recintos e nada indica que venham a desaparecer. Pedro Almeida, investigador e autor da tese ‘Futebol, raça e Nação’ prefere a realidade aos eufemismos: existe racismo no futebol porque a sociedade portuguesa é, no seu coletivo, profundamente racista. Outra coisa seria difícil de suceder num país que tem o mais longo histórico de colonialismo do mundo.
Comentários