Lei obriga cantinas a ter prato vegetariano

Todos os refeitórios e cantinas do país vão passar a estar obrigados a ter pelo menos um prato vegetariano no menu. A medida foi aprovada esta sexta-feira no Parlamento.

Pais e crianças vegetarianas, podem respirar de alívio: esta sexta-feira foi aprovada em votação final global a inclusão de uma opção sem produtos de origem animal em todas as cantinas públicas do país.

Os partidos responsáveis por dar luz verde ao projeto de lei apresentado pelo partido PAN – Pessoas-Animais-Natureza há cerca de um ano foram o PS, PCP, BE, PEV e próprio PAN, que votaram, esta tarde, no Parlamento, a favor da medida.

Escolas e universidades, hospitais, estabelecimentos prisionais, lares, autarquias e serviços sociais da administração pública vão passar a estar obrigados a ter pelo menos uma opção vegetariana no menu que tem disponível nas cantinas e refeitórios. “Dia histórico”, destacou o partido liderado por André Silva através de uma publicação nas redes sociais.

“O PAN apresentou este projeto de lei há um ano, depois de ter lançado a proposta no programa eleitoral das Legislativas 2015, visão que nos trouxe até ao Parlamento e que veio dar voz a milhares de pessoas que até então não se sentiam representadas”, pode ler-se no Facebook do PAN.

A nova lei advém de uma petição intitulada “Petição pela inclusão de opções vegetarianas nas escolas, universidades e hospitais portugueses”, que conta com mais de 15 mil assinaturas. O abaixo-assinado refere que, há dois anos, a Direcção-Geral da Saúde reconhece a evidência a favor da maior presença de produtos de origem vegetal na alimentação.

Ler mais
Relacionadas

Produtos saudáveis moldam novo shopper

Na hora de comprar, o consumidor português, mais criterioso e fã de inovações, passou a preferir levar menos produtos, até pagar mais, desde que constribuam para um estilo de vida saudável.
Recomendadas

Diplomas para a legalização da canábis chumbados no Parlamento

Os diplomas de Bloco de Esquerda e PAN para a legalização da canábis para uso recreativo, foram ontem debatidos em Parlamento mas foram chumbados. PSD, PCP e CDS-PP votaram contra, enquanto que o PS defendeu votos mistos.

Rui Rio: “Isto não pode ser a política do bota abaixo permanentemente”

O presidente do PSD diz que a sua liderança saiu reforçada e pede “tranquilidade” para liderar o partido e que não “haja permanente ruído”.

Governo vai avaliar riscos de corrupção nos decretos-lei

“Não podemos ignorar os resultados dos múltiplos estudos de distintas entidades que invariavelmente apontam para estarmos longe de obtermos vencimento na luta contra a corrupção”, justificou o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros.
Comentários