Lei obriga cantinas a ter prato vegetariano

Todos os refeitórios e cantinas do país vão passar a estar obrigados a ter pelo menos um prato vegetariano no menu. A medida foi aprovada esta sexta-feira no Parlamento.

Pais e crianças vegetarianas, podem respirar de alívio: esta sexta-feira foi aprovada em votação final global a inclusão de uma opção sem produtos de origem animal em todas as cantinas públicas do país.

Os partidos responsáveis por dar luz verde ao projeto de lei apresentado pelo partido PAN – Pessoas-Animais-Natureza há cerca de um ano foram o PS, PCP, BE, PEV e próprio PAN, que votaram, esta tarde, no Parlamento, a favor da medida.

Escolas e universidades, hospitais, estabelecimentos prisionais, lares, autarquias e serviços sociais da administração pública vão passar a estar obrigados a ter pelo menos uma opção vegetariana no menu que tem disponível nas cantinas e refeitórios. “Dia histórico”, destacou o partido liderado por André Silva através de uma publicação nas redes sociais.

“O PAN apresentou este projeto de lei há um ano, depois de ter lançado a proposta no programa eleitoral das Legislativas 2015, visão que nos trouxe até ao Parlamento e que veio dar voz a milhares de pessoas que até então não se sentiam representadas”, pode ler-se no Facebook do PAN.

A nova lei advém de uma petição intitulada “Petição pela inclusão de opções vegetarianas nas escolas, universidades e hospitais portugueses”, que conta com mais de 15 mil assinaturas. O abaixo-assinado refere que, há dois anos, a Direcção-Geral da Saúde reconhece a evidência a favor da maior presença de produtos de origem vegetal na alimentação.

Relacionadas

Produtos saudáveis moldam novo shopper

Na hora de comprar, o consumidor português, mais criterioso e fã de inovações, passou a preferir levar menos produtos, até pagar mais, desde que constribuam para um estilo de vida saudável.
Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários