Lei ‘Uber’: Governo está subjugado ao interesse das multinacionais, acusa CGTP

“A CGTP está ao lado da luta dos profissionais do táxi”, afirmou Arménio Carlos, considerando que o atual Governo tem “dois pesos e duas medidas” e que está “subjugado ao interesse das grandes multinacionais”.

Cristina Bernardo

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, acusou hoje o Governo de estar “subjugado ao interesse das grandes multinacionais” de plataformas eletrónicas de transporte, expressando apoio à luta dos taxistas.

“A CGTP está ao lado da luta dos profissionais do táxi”, afirmou Arménio Carlos, considerando que o atual Governo tem “dois pesos e duas medidas” e que está “subjugado ao interesse das grandes multinacionais” que estão à frente das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros.

Falando aos cerca de 500 taxistas concentrados em frente à Assembleia da República, o líder sindical considerou, contudo, que a “força da razão vai-se sobrepor à força do poder”.

O responsável da CGTP defendeu que os taxistas não são “portugueses de segunda quando há estrangeiros de primeira”, referindo-se às plataformas, e exigindo que não haja uma “discriminação”, mas “direitos iguais”.

Na perspetiva de Arménio Carlos, a situação pode ser resolvida se o Governo tiver “bom senso e disponibilidade” para ouvir o setor do táxi.

Relativamente às plataformas que atuam em Portugal, a CGTP “não tem nada contra”, no entanto, “a lei é para ser cumprida por todos”, disse o dirigente, defendendo que há atualmente “concorrência desleal”.

Arménio Carlos disse ainda acreditar que, no futuro, as plataformas que atuam em Portugal vão “pôr os clientes a pagar muito mais”.

O secretário-geral da CGTP deixou palavras de apoio ao protesto dos taxistas, que dura há oito dias, apelando a que mantenha a “união, coragem e determinação” na luta pelo futuro do setor, “independentemente das dificuldades e dos obstáculos”.

Perante esta manifestação de apoio, os cerca de 500 profissionais em protesto aplaudiram e gritaram “o táxi unido jamais será vencido”.

Os taxistas estão concentrados em frente à Assembleia da República desde cerca das 15:00 a acompanhar o debate quinzenal através da rádio, refugiados em sombras devido ao calor, aplaudiram a intervenção da coordenadora do BE, Catarina Martins, e vaiaram o primeiro-ministro, António Costa, na resposta.

Os taxistas estão em protesto desde dia 19, com concentrações em Lisboa, Porto e Faro, contra a entrada em vigor, em 01 de novembro, da lei que regula as quatro plataformas que operam em Portugal – Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

Ler mais
Relacionadas

Táxis: Cerca de 500 taxistas em protesto à porta da Assembleia da República

Em declarações à Lusa, o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida disse que os taxistas vão aguardar fora do parlamento o decorrer da sessão plenária, esperando ser recebidos por grupos parlamentares, decidindo depois eventuais novas ações de luta.

Taxistas acusam gabinete do primeiro-ministro de “manobra de diversão”

Representantes do setor do táxi reuniram-se hoje à tarde com um assessor de António Costa para a área económica.
Recomendadas

Carlos Costa: “Se alguém tem provas que me ponham em causa tem toda a possibilidade de me exonerar”

Governador do Banco de Portugal diz que nada fez de errado quando era administrador do banco público.

Salário mínimo deve ser igual para todos, defende Rui Rio

“O salário mínimo nacional é algo que todos nós temos consciência que está abaixo daquilo que é justo e, portanto, tem que ser igual para todos, não podemos discriminar”, salientou o líder do PSD.
Comentários